Saída de Rhodolfo expõe contradição e reabre rivalidade com São Paulo

A negociação de Rhodolfo com o São Paulo, confirmada nesta terça-feira pelo Atlético-PR, expôs uma contradição da diretoria atleticana, além de reabrir a rivalidade recente entre os dois clubes. Em 2010, o presidente Marcos Malucelli chegou a negar que a transferência pudesse ocorrer e aproximou o zagueiro à Europa.

Quando surgiu o interesse do São Paulo no ano passado, logo após a saída der Paulo César Carpegiani, a diretoria de futebol chegou a afirmar que ele até poderia sair, desde que fosse por "caminhão de dinheiro" por se tratar da equipe paulista.

Segundo o empresário do zagueiro, Rafael Felix, antes do acerto com o São Paulo, eles chegaram a entrar em negociação como Atletico de Madrid, da Espanha, mas sem um acordo com o Atlético-PR. Felix não quis dar detalhes sobre os empecilhos que impediram a saída do jogador para fora do País.

"O clube europeu que falamos que tínhamos proposta era o Atlético de Madrid, mas não deu certo. A negociação do Rhodolfo foi demorada, mas o importante é que deu certo e o Rhodolfo está contente", disse o empresário. No novo clube, especula-se que o zagueiro terá um salário cinco vezes maior.

A notícia confirmada na manhã desta terça-feira desagradou a torcida, em razão das rusgas entre os dois clubes. Há um longo histórico de jogadores que deixaram o Atlético-PR para jogar no tricolor paulista, como Aloísio, Jancarlos e Dagoberto, por exemplo.

No ano passado, Paulo César Carpegiani fez a mesma troca e, no começo de 2011, foi o preparador físico Riva Carli quem deixou o clube rubro-negro com o mesmo destino.