Cartões, cansaço e busca pelo 1º lugar deixam Seleção em suspense

Com a classificação para a fase final garantida, o Brasil poderia entrar em campo contra o Equador, de terça para quarta-feira, às 0h10 (de Brasília), com uma equipe praticamente toda reserva. Porém, o técnico Ney Franco terá que analisar três variáveis para definir o time que encerrará a participação brasileira na 1ª fase do Sul-Americano Sub-20.

A primeira é a mais fácil de entender: o Brasil ainda busca a liderança do Grupo B, o que lhe daria um começo teoricamente mais fácil no hexagonal final. Para atingir o objetivo matematicamente, só a vitória interessa. Porém, em caso de empate, apenas uma goleada de mais de quatro gols dos equatorianos contra a Bolívia na rodada final desbancaria os brasileiros.

Durante a preparação para o empate com a Bolívia, Ney disse que seria importante para o Brasil terminar a 1ª fase como líder. Desta forma, este fator será pesado na hora de decidir se vai escalar mais reservas ou mais titulares na partida.

A tendência inicial era poupar todos os pendurados para que os cartões fossem zerados para a fase final. Nesta situação estão o goleiro Gabriel, o zagueiro Juan, o volante Casemiro e o atacante Neymar. O lateral direito Danilo levou o segundo amarelo e não joga.

Porém, uma terceira variável pode ter ainda mais peso. O Brasil tem apenas a segunda-feira de intervalo entre os jogos entre Bolívia e Equador, e há um temor de estourar jogadores. "Temos uma preocupação especial com esse jogo. É pouco tempo descanso", disse o preparador físico Alexandre Lopes antes da partida de domingo.

Diante deste cenário, a Seleção antecipou em um dia a viagem de volta de Ilo, cidade em que estava hospedada para o jogo em Moquegua, e vai realizar uma atividade na tarde de segunda-feira. "Vou conversar com jogadores e definir o time amanhã (segunda)", afirmou Ney após o jogo com a Bolívia.