Ganso manifesta tristeza por não ser valorizado pelo Santos

SANTOS - O meia Paulo Henrique Ganso não mediu palavras para expressar sua tristeza nesta terça-feira, no CT Rei Pelé, principalmente pelo Santos não ter oferecido um plano de carreira satisfatório ao atleta, a exemplo do que fez com Neymar. O jogador se disse "triste e chateado" e até ironizou seu atual clube com o suposto interesse da Inter de Milão.

"Fico triste e chateado por não ser valorizado pelo clube que eu defendo com todo o prazer. Bate uma tristeza, mas isso acontece no futebol", disse. "É engraçado você falar que a Inter de Milão, última campeã mundial e da Europa, está interessada no meu futebol mesmo com a contusão e o Santos praticamente não me valorizou", disparou o atleta.

A insatisfação de Ganso é justificada pelo projeto oferecido pelo clube alvinegro ao atleta. O Santos inicialmente propôs um aumento salarial (R$ 275 mil por mês, contra R$ 130 mil do salário atual) e, em troca, o clube gostaria de 30% dos direitos de imagem do meia.

Contudo, Paulo Henrique ficou insatisfeito com a proposta e exigiu R$ 500 mil mensais, mas as conversas acabaram estacionando e, segundo disse o próprio meia nesta terça, o Santos não o procurou mais - seu vínculo atual se encerra apenas em 2015, com multa rescisória de 50 milhões de euros (R$ 109 milhões).

"Como todo profissional você quer um salário melhor e sempre vou buscar isso na minha carreira. Não quero que a multa seja abaixada, não pretendo fazer isso", afirmou Ganso, sem mandar um recado à diretoria: "as conversas podem ser retomadas, mas será em outras proporções".

Para finalizar, Paulo Henrique "culpou" a contusão sofrida no joelho esquerdo que o afasta dos gramados desde 25 de agosto (dia do confronto contra o Grêmio, no Olímpico, pelo Campeonato Brasileiro) e voltou a expressar insatisfação.

"Se não houvesse a contusão, sem dúvida nenhuma isso já tinha sido resolvido, mas como isso aconteceu as coisas ficaram mais difíceis. Você jogar no Santos é excelente, mas poderia ficar melhor. Estou satisfeito por jogar em um grande clube, mas lógico que quero uma valorização maior", completou.

A previsão é que o meio-campista volte a atuar apenas no final de fevereiro, exatos seis meses após ter sofrido a lesão.