Inter de Milão vence o Seongnam e espanta a zebra no Mundial

 

Abu Dhabi - Um dia depois de o Internacional entrar para a história ao perder para o Mazembe na semifinal, a Inter de Milão devolveu a 'lógica' ao Mundial de Clubes, nesta quarta-feira, ao bater o Seongnam por 3 a 0, no Estádio Zayed Sports City, em Abu Dhabi.

E não precisou inventar muito para atingir seu objetivo. Apresentou um jogo simples o suficiente para se impor e derrotar um time de menor qualidade técnica sem levar grandes sustos.

A equipe italiana fez com perfeição aquilo que o Internacional mais pecou: definir a partida quando teve chances. Foram apenas sete chutes a gol, seis com a direção certa. Os sul-coreanos chutaram 16 vezes, apenas três corretamente.

Guardadas as devidas proporções, foi mais ou menos o que Internacional e Mazembe protagonizaram na última terça. Os brasileiros chutaram 23 vezes ao gol (seis certeiras). Os africanos foram mais eficientes e definiram o jogo com 13 (sete no alvo).

Já a Inter de Milão nem deu tempo para os sul-coreanos se animarem. O primeiro gol saiu logo no terceiro minuto. Com o controle total das ações em campo, a Inter marcou o segundo aos 32min ainda na primeira etapa e passou a administrar o jogo. Mesmo assim, definiu aos 28min do segundo tempo.

Na construção dos gols, o resumo do que é esperado de uma equipe favorita. Toques rápidos, no chão, sempre em direção à meta adversária. No primeiro, o camaronês Samuel Eto'o tentou a tabela com Milito, a bola espirrou e sobrou livre para Stankovic apenas tirar do goleiro.

No segundo, motivo para aplausos. Zanetti avançou em diagonal e cruzou para Milito. O argentino deu um leve toque de calcanhar e devolveu para o companheiro, que não desperdiçou. Uma tabela simples, bonita e eficiente. No terceiro, contra-ataque rápido até a conclusão certeira de Milito em um rebote.

O argentino foi o melhor em jogo. Saiu aplaudido por um estádio totalmente a favor dos italianos. Nas arquibancadas e dentro de campo, muita vibração e abraços a cada gol, provando que os europeus ligam, e muito, para o Mundial de Clubes.