Independiente se reencontrou com sua história, exaltam argentinos

Independiente venceu seu 16º título internacional com a conquista da Sul-Americana

BUENOS AIRES - A conquista da Copa Sul-Americana de 2010 seria histórica para o Goiás, mas a vitória do Independiente nos pênaltis, nesta quarta-feira, também decretou uma marca importantíssima para a equipe argentina. Maior campeão da história da Copa Libertadores, com sete triunfos, o clube de Avellaneda retorna ao principal torneio da América do Sul após seis anos; além disso, volta a vencer um título internacional depois de um jejum de 15 anos.

"O Independiente se reencontrou com sua história", destacou o jornal argentino La Nación. "Sofreu até o limite, mas comemorou como há tempos não fazia. Festejou com sua gente, que lotou o Estádio Libertadores de América para um novo festejo internacional, 15 anos depois de ganhar, em 1995, a Supercopa".

O Clarín também exaltou o retorno do clube ao topo de uma competição continental. "Independiente, outra vez rei da América", escreveu o diário em seu site. "O Independiente tingiu de vermelho a noite e alcançou a glória em um ano muito complicado. Foi amplamente superior ao Goiás do Brasil no primeiro tempo e conquistou a Copa Sul-Americana após vencer por 5 a 3 nos pênaltis".

Além de conquistar a vaga para a Libertadores do ano que vem, o Independiente deixou de fora do torneio o Racing, seu maior rival. "'El Rojo' está de volta", estampou o Olé, fazendo referência ao apelido da equipe ("O vermelho").