Fifa suspende dois membros após escândalo em candidaturas

 

A Fifa anunciou nesta quinta-feira que dois membros do Comitê Executivo da entidade foram suspensos de um a três anos por suposto envolvimento nas candidaturas para receber as Copas do Mundo de 2018 e 2022.

Claudio Sulser, presidente do Comitê de Ética da Fifa, anunciou que o nigeriano Amos Adamu foi suspenso por três anos, enquanto o taitiano Reynald Temarii ficará afastado de suas funções por um ano.

Os dois foram multados e outros quatro funcionários também foram punidos.

"Reynald Temarii, vice-presidente da Fifa, foi proibido de exercer qualquer atividade no futebol durante um ano e a pagar uma multa de 5.000 francos suíços (3.700 euros)", declarou Sulser.

De acordo com o advogado Geraldine Lesieur, Temarii foi suspenso por um ano pela acusação de tentativa de intervenção no voto nas candidaturas para receber os Mundiais de 2018 y 2022, mas foi absolvido da suspeita de corrupção.

"A Comissão de Ética notifica que suspende Temarii por um ano a partir de 20 de outubro", explicou Lesieur.

O advogado disse que o taitiano foi suspenso pelo fato de ter discutido seu voto e as opções para as edições de 2018 e 2022 da Copa, o que contraria a ética. Temarii deve apelar da decisão.

Sulser aproveitou a oportunidade para afirmar que não há provas suficientes da existência de um acordo não oficial entre Qatar e Espanha-Portugal para suas candidaturas a sede dos Mundiais de 2018 e 2022.

"Não há elementos suficientes para chegar à conclusão de conluio entre as candidaturas de Qatar e a candidatura conjunta da Espanha e Portugal", declarou Sulser, em coletiva de imprensa na sede da organização em Zurique.

Inglaterra, Rússia e as candidaturas conjuntas Espanha-Portugal e Holanda-Bélgica são candidatas para receber a Copa do Mundo de 2018, enquanto Qatar, Austrália, Estados Unidos, Japão e Coreia do Sul disputam a edição de 2022.

A Fifa deve anunciar o nome dos países organizadores dos dois Mundiais no dia 2 de dezembro em Zurique, Suíça.