Defesa brasileira tem receita para brecar Messi

DOHA - A defesa vem sendo o ponto forte da Seleção de Mano Menezes. Nas três partidas sob o comando do treinador, o Brasil não sofreu nenhum gol. A equipe venceu Estados Unidos por 2 a 0, Irã por 3 a 0 e Ucrânia por 2 a 0, apostando em uma formação completamente diferente da que disputou a Copa do Mundo da África do Sul.

Só que Victor, Daniel Alves, Thiago Silva, David Luiz e André Santos terão artilharia pesada pela frente no amistoso de quarta-feira, contra a Argentina, em Doha, no Catar. Principalmente porque do outro lado do campo estará Lionel Messi, atual melhor jogador do mundo e que já vem sendo estudado pelos brasileiros.

"Temos que encurtar o espaço e ter atenção primordial. Em meio metro ele (Messi) faz uma bagunça. Temos que estar fortes e ligados na partida e na equipe adversária", afirmou André Santos, que será o responsável pela marcação quando o atacante do Barcelona atuar na ponta direita.

Mano afirmou em entrevista coletiva na segunda-feira que os laterais terão de se preocupar mais com a marcação diante dos argentinos. Ele lembrou que Messi e Di María jogam pelas pontas, o que deve diminuir as subidas ao ataque de Daniel Alves e André Santos.

"Jogadores com a qualidade que tem o Messi gostam de mais espaço. Temos que encontrar uma forma de a gente diminuir o jogo dele", completou o zagueiro David Luiz, que vai enfrentar o craque argentino pela primeira vez.

Só que Messi não consegue repetir na seleção o bom desempenho com a camisa do Barcelona. Pela Argentina, não venceu nenhum título com a equipe principal. "Faltam essas outras grandes conquistas para que se torne um jogador que se possa comparar com outros grandes jogadores", destacou Mano.

O camisa 10 argentino também não leva muita sorte contra o maior rival. Em quatro partidas diante do Brasil, ele empatou uma e perdeu três. Venceu apenas a semifinal da Olimpíada de Pequim em 2008, quando as duas seleções atuaram com equipes olímpicas.