Imprensa alemã agradece a Vettel e vê vingança sobre a Espanha

BERLIM - A imprensa da Alemanha fez festa nesta segunda-feira para comemorar o título de Sebastian Vettel na temporada 2010 da Fórmula 1. O piloto da Red Bull, primeiro do país a ser campeão desde Michael Schumacher em 2004, é destaque nos principais jornais e sites do país após a vitória decisiva no GP dos Emirados Árabes Unidos, em Abu Dhabi.

Em seu site, o Bild publicou um agradecimento a Vettel em nome de seus leitores. O jornal, com tiragem diária superior aos 3 milhões de exemplares, ainda estampou em sua capa: "milagre, lágrimas, campeão do mundo! A Alemanha é completamente Vettel".

O tabloide, em tom provocador, também relaciona a conquista sobre a Ferrari, do espanhol Fernando Alonso, com as derrotas da Alemanha para os italianos, na Copa do Mundo de 2006, e para a Espanha, na Eurocopa de 2008 e na Copa do Mundo de 2010. "Contra a Itália, perdemos nas semifinais do Mundial de 2006; contra a Espanha, perdemos na final europeia de 2008 e na Copa de 2010."

Mais conservador, o Der Spiegel cita Dietrich Mateschitz, proprietário da Red Bull, que homenageou seu piloto pela ousadia. "Vettel merece mais do que ninguém", estampa o site da publicação, reproduzindo a declaração de Mateschitz. "Seu empenho foi recompensado com o título de Sebastian Vettel entre os pilotos e da equipe nos construtores. ''Isto é imbatível'', disse o empresário.

O Sueddeutsche Zeitung, igualmente com uma postura mais tradicional, dedica suas homenagens ao piloto da Red Bull nesta segunda-feira. Em sua página de esportes, o site do periódico traça um perfil biográfico de Vettel, em tom de retrospectiva, incluindo o piloto da casa entre os campeões da história da F1.

Por fim, o Frankfurter Allgemeine Zeitung destaca: "é o campeão do mundo". O jornal também lembra a coragem do alemão em desafiar a conveniência das ordens de equipe, uma vez que "até pouco tempo atrás, os pilotos pareciam tontos, e agora são heróis. As estratégias da Red Bull fizeram o final feliz e calaram seus críticos".