Líbero brasileira diz que defesa do Japão é irritante

 

Passada a difícil partida do Brasil diante do Japão neste sábado, na semifinal do Mundial Feminino de vôlei, a líbero Fabi chegou a chamar de "irritante" a atuação da equipe adversária na defesa. O ponto de vista, porém, foi defendido também pela ponteira Natália, no mesmo tom de brincadeira da companheira.

"É irritante. A gente dá forte, dá bolada...", lembrou Natália, atestando a eficiência das japonesas no setor defensivo e comentando que a pressão da torcida no Ginásio Yoyogi National Stadium, em Tóquio. "Dá uma irritada. O ginásio é grande", comentou, lembrando da dificuldade para conversar em quadra.

Natália também analisou o desgaste da longa partida das semifinais, vencida pela Seleção Brasileira de virada por 3 sets a 2. Segundo ela, fatores como a pressão da torcida, o fato de jogar contra as donas da casa e o próprio estilo da seleção nipônica dificultaram bastante a missão brasileira.

"A gente tem que pensar demais, tem que ter paciência. Hoje cansou, mas a atuação que a gente teve aqui é uma prova de jogo para a gente", afirmou. "Além de ter essa pressão de semifinal, tem esse jogo contra o Japão, que é sempre complicado de a gente jogar. E hoje foi bastante".

O Brasil disputa agora a final do Mundial em busca de um título inédito. Neste domingo, as comandadas de José Roberto Guimarães enfrentam a Rússia a partir das 8h30 (horário de Brasília), em Tóquio. A partida tem acompanhamento lance a lance do Terra.