Brasil é o cabeça de chave que menos viajará na primeira fase

 

Se algo caracteriza a Copa América de 2011, é as grandes distâncias entre as oito cidades que abrigarão os 26 jogos da competição. Potencialmente, os 55 quilômetros que separam Buenos Aires da cidade de La Plata é o trajeto mais curto que qualquer uma das 12 seleções percorreria.

Neste sentido, entre os cabeças de chave, o Brasil é o mais beneficiado. A equipe de Mano Menezes estreará contra a Venezuela, em La Plata, e logo deverá viajar a Cordoba (a 764 quilômetros) para jogar com Paraguai e Equador pelo Grupo B.

A Argentina, no entanto, terá um calendário mais movimentado: enfrenta na estreia a Bolívia, em La Plata, viaja a Santa Fé para medir-se contra a Colômbia e volta para encerrar sua participação no Grupo A com o Japão, em Córdoba.

A seleção chilena, ao contrário, quase não terá que viajar. Aproveitando a proximidade do país, a equipe atuará na província Cuyo, estreando contra o México, pelo Grupo C, na cidade de San Juan. Depois, o time viajará 158 quilômetros para atuar em Mendoza, onde enfrentará Uruguai e Peru.

O México, por sua vez, logo depois da estreia diante dos chilenos, viajará a Mendoza para disputar o duelo contra o Peru. No entanto, a grande viagem ocorrerá depois, quando deverá voar até La Plata para enfrentar os uruguaios.

Dessa forma, o Uruguai aparece como o mais "prejudicado": mesmo encerrando a participação na primeira fase na cidade de La Plata, onde praticamente jogará como a equipe local, dada a proximidade com o país, previamente a seleção cruzará a Argentina de leste a oeste para chegar na região Pré-Cordilheira e enfrentar chilenos e mexicanos.