COB pede psicólogo para combater "amareladas" de atletas

       SÃO PAULO - De acordo com reportagem do jornal Folha de S. Paulo, o Comitê Olímpico Brasileiro recomendou às confederações afiliadas que acrescentem psicólogos em suas equipes como forma de evitar as chamadas "amareladas" que tenham a parte emocional como explicação e prejudiquem o plano de colocar o Brasil entre as 10 maiores potências olímpicas até 2016.

A publicação recorda que a dupla Adriana Behar e Shelda, favorita ao ouro do vôlei de praia nos Jogos Olímpicos de 2000 e 2004, decepcionou nas duas ocasiões e ficou com a prata. A presença da psicologia esportiva, por outro lado, é vista como um ponto importante na conquista olímpica da seleção feminina de vôlei comandada por José Roberto Guimarães em 2008.