Jornal rebate críticas de Bernardinho e esquenta polêmica

Ainda longe de chegar em sua reta final, o Mundial de Vôlei já está fervendo em termos de polêmica. As duras críticas feitas ontem ao regulamento da competição, principalmente após a suspeita de a Rússia ter entregue a vitória para a Espanha para cair em uma chave mais fácil, repercutiram neste sábado na imprensa italiana, que até então pouco falava no assunto.

Um dos mais conceituados jornais esportivos da Europa, a Gazzetta dello Sport deu destaque em uma pequena reportagem nas duas páginas em que fala do Mundial para comentar a situação. O diário fala que a derrota da Rússia foi "dúbia" e rebate as críticas ao formato do torneio proferidas pelo técnico da Seleção Brasileira, Bernardinho, como fez em entrevista ao Terra, ontem.

"É realmente revoltante e decepcionante. Saio deste Mundial triste com o que o voleibol viveu, com elementos que não são do esporte. É um regulamento vergonhoso. Uma forma injusta, incorreta e antidesportiva de como a competição vem se desenvolvendo".

Para criticar Bernardinho, o jornal fez uma espécie de mini-editorial em que diz que no Europeu de 2009, jogado na Turquia e vencido pela Polônia, o formato foi semelhante e questiona o fato de o treinador da Seleção estar fazendo críticas ao regulamento se em 2004, ele também virou alvo de suspeitas por conta de uma derrota para os Estados Unidos nos Jogos Olímpicos de Atenas.

Na ocasião, a Seleção, invicta até aquele momento na competição, perdeu para os Estados Unidos por 3 sets a 1, o que colocou os americanos na frente da Rússia, por ter menos sets perdidos, e tirou os russos do caminho brasileiro antes da final, já que o quarto colocado do grupo ficaria em uma chave oposta ao primeiro nas quartas-de-final.

Para o jornal, o fato foi o causador principal para a Federação Internacional de Vôlei (FIVB) ter mudado o critério de desempate para média de pontos ao invés de média de sets.