Com Alan "na cola", Mário Jr. diz que derrota levantou moral

Sem fazer uma partida espetacular até então no Mundial, como foi visto em algumas partidas da Liga, o líbero Mário Jr. teve uma boa exibição na vitória arrasadora sobre a Polônia, ontem, em Ancona. Com 12 defesas na partida, ele foi peça-chave no setor defensivo para ajudar o Brasil a iniciar muito bem a caminhada na segunda fase do torneio.

Coincidentemente, o bom desempenho de Mário Jr. veio no mesmo jogo em que Bernardinho levou para o banco pela primeira vez o líbero reserva Alan. Durante a primeira fase, Alan ficou de fora da lista de 12 jogadores inscritos para cada partida, dando lugar para o oposto/ponteiro João Paulo Tavares.

"Optei por levar o Alan para o banco de reservas por precaução, porque sei que os poloneses sacam e tem um ataque muito potente, então quis passar para o Mário que caso ele precisasse de um descanso teria o Alan ali para ajudá-lo", afirmou Bernardinho, em entrevista ao Terra nesta sexta-feira.

Apesar de ter visto Alan em "sua cola", Mário Jr. afirmou que a melhora no seu desempenho é apenas uma evolução do seu jogo ao longo do campeonato. "Contra Cuba joguei bem, foi um detalhe no tie break. Poderia talvez ter dado uma defesa a mais para o time. (Já o jogo de hoje) eu acho que em termos de defesa foi bastante gratificante. A gente tinha bastante material da Polônia, por conta dos amistosos. Facilitou tanto no bloqueio quanto na defesa. Os dois. O saque também ajudou, colocou tudo no lugar certo".

Para o camisa número 19, o fato da Seleção Brasileira ter sido derrotada na primeira fase para Cuba em um jogo tão acirrado serviu para acordar a equipe e levantar a moral para o restante da competição. "Sempre quem perde, entra com mais moral. Você vê Cuba hoje. Deve ter ficado de salto alto e perdeu para Sérvia. Quando se tem a derrota, em um jogo bonito como foi, no próximo jogo você está sempre querendo fazer igual".