Imprensa critica decisão da FIA

Portal Terra

S O PAULO - Alguns setores da imprensa mundial não pouparam críticas à FIA (Federação Internacional de Automobilismo) nesta quinta-feira pela decisão tomada pela entidade na véspera, de não punir de forma severa a Ferrari por uma suposta ordem no Grande Prêmio da Alemanha, em 25 de julho. Na ocasião, funcionários da equipe informaram de forma clara a Felipe Massa, pelo rádio, que Fernando Alonso estava mais rápido, indicando para o brasileiro permitir a ultrapassagem.

Alguns órgão da imprensa mundial não esconderam o descontentamento com a decisão e chamaram a entidade de "Ferrari Internacional Assistance". Já o inglês Daily Mail afirmou que a FIA decidiu "rasgar o livro com as próprias regras". Outros veículos, no entanto, acreditam que o conselho deve rever a proibição, como o Telegraph, que disse que o castigo não foi aplicado apesar do "flagrante" da violação. "Pelo menos a hipocrisia das equipes que praticam isso e pregam algo diferente seria removido".

O americano New York Times acredita que a absolvição é perigosa para o futuro da categoria. "Este veredicto é um precedente que provavelmente irá permitir ordens das equipes para continuar a usar este tipo de procedimento". Na Alemanha, o Bild seguiu o mesmo caminho e pediu o fim da proibição: "ou as ordens das equipes são brutalmente punidas, ou são oficialmente permitidas", disse. O assunto deve ser novamente discutido na próxima reunidão do conselho, em novembro.

No julgamento ocorrido nesta quarta, em encontro do Conselho Mundial de Automobilismo, a escuderia italiana foi apenas multada em US$ 100 mil pelos comissários por jogo de equipe, ato proibido pela entidade desde 2002, quando a mesma Ferrari ordenou ao também brasileiro Rubens Barrichello a abrir passagem para o alemão Michael Scchumacher, no GP da Áustria.