Mundial de Basquete promete equilíbrio; veja raio-X das seleções

Marcel Pedroza, Portal Terra

DA REDAÇ O - O Campeonato Mundial masculino de basquete, que será realizado na Turquia, começa neste sábado, prometendo equilíbrio, com muitas seleções brigando pelo título. No país, quatro cidades receberão partidas: Ancara, Izmir, Kayseri e Istambul, que contará com dois ginásios.

Alguns desfalques importantes por parte de algumas equipes, como Kobe Bryant e Lebron James, dos Estados Unidos, e Pau Gasol, da Espanha, não tirarão o brilho da competição, que conta com 24 países divididos em quatro grupos.

As quatro primeiras de cada grupo se classificam, para serem formados os playoffs, que serão disputados em jogos mata-mata. A grande final será disputada no dia 12 de setembro, em Istambul.

Confira abaixo o que esperar de cada seleção na competição.

Grupo A

Argentina: Candidata ao título - Mesmo com a ausência do astro Manu Ginobili, a equipe chega forte à competição, liderada por Scola e Delfino. O técnico Sergio Hernandez terá problemas com a rotação, já que a diferença entre as qualidades dos titulares e reservas é bem grande. De última hora perdeu o experiente ala Andrés Nocioni.

Olho nele: Luis Scola

Sérvia: Candidata ao título - Tradicional país no cenário do basquete mundial, a Sérvia, campeã mundial em 2002, é forte candidata ao título deste ano. Com um conjunto muito forte, liderado pelo armador Milos Teodosic, a equipe joga o tradicional basquete europeu, com muita rotação no ataque e uma defesa bastante consistente.

Olho nele: Milos Teodosic

Austrália: Cai nos playoffs - A maior estrela do basquete australiano, o pivô Andrew Bogut, que atua pelo Milwaukee Bucks, da NBA, é desfalque mais uma vez. Com um time "chato", a Austrália pode incomodar as favoritas Argentina e Sérvia no Grupo A e pode ser rival do Brasil na segunda fase.

Olho nele: Patrick Mills

Alemanha: Cai nos playoffs - Mais uma seleção do grupo que vai ao Mundial sem sua principal estrela, Dirk Nowitzki. Porém, no caso da Alemanha, a perda de seu astro deixa a equipe em um patamar bem abaixo. Deve vencer apenas as fracas Angola e Jordânia e se classificar na quarta posição.

Olho nele: Jan Jagla

Angola: Cai na primeira fase - Mesmo sendo a mais forte das seleções africanas, Angola não deve se classificar para a segunda fase da competição. Tendo como característica principal a força física, os angolanos vão fazer o jogo mais importante diante da Alemanha, para conseguirem a histórica classificação.

Olho nele: Olimpio Cipriano

Jordânia: Cai na primeira fase - Será o saco de pancadas do grupo. Para o país, o fato de estar no Mundial já é um grande orgulho, mesmo chegando a competição sem chance alguma.

Olho nele: Rashein Wright

Grupo B

Brasil: Cai nos playoffs - Muito se espera da Seleção Brasileira, comandada pelo técnico campeão olímpico com a Argentina, em 2002, Rúben Magnano. Porém a falta de opções no banco de reservas pode prejudicar muito a equipe brasileira. A perda de Nenê, nos últimos instantes, também tem que ser considerada. Com ele, Splitter e Varejão o Brasil entraria na competição com um dos melhores garrafões do mundo.

Olho nele: Tiago Splitter

Estados Unidos Candidata ao título - Sem contar com nenhum jogador da campanha do título olímpico em 2008, a seleção mais "poderosa" de basquete do mundo chega à Turquia com uma equipe cheia de jovens talentosos, junto com a experiência de alguns veteranos que atuam na NBA. Esta mistura pode se juntar a todo o conhecimento do "Coach K" e transformar esta seleção americana em campeã mundial.

Olho nele: Kevin Durant

Eslovênia Cai nos playoffs - A equipe europeia, que fez boa campanha no último Campeonato Europeu, em 2009, é liderada por dois armadores que estão em alta no cenário do basquete, que são Jaka Lakovic, que atua no Barcelona, e Goran Dragic, reserva de Steve Nash no Phoenix Suns. Todas as ações serão comandadas por estes dois jogadores, o que não será suficiente para enfrentar fortes conjuntos neste Mundial.

Olho nele: Goran Dragic

Croácia Cai nos