Ganso deve assinar novo contrato com o Santos, mesmo longe dos campos

Portal Terra

S O PAULO - Mesmo tendo que passar por uma cirurgia no próximo sábado para reconstruir o ligamento cruzado anterior do joelho esquerdo, o meia Paulo Henrique Ganso, que ficará seis meses fora dos gramados, pode assinar um novo contrato com o Santos. Em reunião realizada na última quinta-feira, o Santos apresentou um projeto de carreira para os representantes do jogador.

Como já havia antecipado o Terra na última quarta, a diretoria santista propôs um plano de carreira parecido com o que foi acertado com Neymar. No entanto, a diferença no acordo entre os atletas está na imagem. O camisa 11 do Santos teve toda a estratégia focada na figura do mito.

Já para Ganso, o clube alvinegro visa usar a imagem do jogador para resgatar a mística da camisa 10 do Santos, que foi usada por Pelé, considerado o melhor jogador de todos os tempos do futebol mundial. O Terra ainda apurou que o projeto inclui um aumento salarial, plano de carreira, participação em bônus por convocações, títulos conquistados e ações de marketing.

Além disso, o clube ofereceu ao jogador diversos cursos, entre eles: cursos de idiomas e mídia training. A reunião teve a presença do presidente do Santos, Luis Álvaro de Oliveira Ribeiro, o dirigente Fernando Silva, o diretor de futebol Pedro Luis Nunes Conceição e o diretor de marketing, Armênio Neto.

A reunião ainda teve a presença e o aval dos representantes do grupo Guia (Gestão Unificada de Inteligência e Apoio ao Santos Futebol Clube), que auxilia o presidente Luis Álvaro nas decisões tomadas no clube. A cúpula santista apresentará o projeto para os representantes da DIS, braço esportivo do Grupo Sonda, que além de possuir 45% dos direitos econômicos do meia, também gerenciam a carreira do atleta.

O pai do atleta, Julio de Lima, e o irmão, Julio Chagas, também estiveram na reunião. Paulo Henrique tem contrato com o clube alvinegro até março de 2015. A multa rescisória do jogador é de 50 milhões de euros (cerca de R$ 111,7 milhões). Além dos 45% da DIS, o Santos também possui 45%. Os outros 10% dos direitos econômicos pertencem ao próprio jogador. Uma nova reunião está agendada para a próxima semana.