Fifa inspeciona candidatura dos EUA para sediar Copa

Agência AFP

NOVA YORK - Uma delegação da Fifa visitou, esta terça-feira, a cidade de Nova York, no giro de três dias que realiza em cinco cidades dos Estados Unidos e que inclui um café da manhã na Casa Branca para analisar a candidatura do país para organizar o Mundial de 2018 ou o de 2022.

Os seis inspectores da Fifa, liderados pelo presidente da Associação Nacional de Futebol Profissional do Chile, Harold Mayne-Nicholls, visita possíveis estádios e instalações para determinar se os Estados Unidos estão em condições de sediar uma Copa do Mundo.

O ponto forte do giro será o café da manhã, esta quarta-feira, na Casa Branca, embora ainda não esteja confirmada a presença do presidente Barack Obama.

"Ainda não estamos certos de todos os convidados ao café da manhã, mas certamente alguns integrantes do gabinete e altos funcionários da presidência" estarão presentes, disse o presidente da Federação de Futebol dos Estados Unidos (US Soccer), Sunil Gulati.

O ex-presidente americano Bill Clinton, que assistiu ao Mundial da África do Sul-2010, é o presidente da candidatura dos Estados Unidos para organizar o torneio mundial em 2018 ou 2022.

Além de Nova York e da capital, Washington, a delegação da Fifa visitará Miami, Dallas e Houston. As cinco cidades integram um grupo de 18 que os Estados Unidos apresenta como possíveis sedes, das quais finalmente serão eleitas 12.

Estados Unidos, Inglaterra, Rússia, Espanha-Portugal em forma conjunta, assim como Holanda-Bélgica, apresentaram candidaturas para organizar os Mundiais de 2018 e 2022, enquanto Austrália, Japão, Coreia do Sul e Catar o fizeram para a Copa do Mundo de 2022.

O comitê executivo da Fifa escolherá as sdes para os dois Mundiais no próximo 2 de dezembro.

Os Estados Unidos já organizaram o Mundial de 1994, quando o Brasil sagrou-se tetracampeão.