Em luta histórica, Anderson Silva bate americano e mantém cinturão

Portal Terra

NOVA YORK - O brasileiro Anderson Silva derrotou o americano Chael Sonnen na edição 117 do Ultimate Fighting Championship (UFC), disputado na noite deste sábado, em Oakland, na Califórnia. Com a vitória, transmitida pelo SportTV, Silva mantém o cinturão dos pesos médios da competição. Mas o feito só pôde ser comemorado no último minuto do combate: até o final do quinto e derradeiro round, a vitória era do americano.

O brasileiro já havia entrado sob pressão no ringue, criticado pela atuação pouco séria de sua última vitória, obtida contra Demian Maia. Quando entrou na arena de Oakland, Anderson se mostrava entusiasmado. Agitado, intenso, parecia dispoto a reverter o histórico recente.

Ele começou bem e partiu para o ataque. Mas foi já na metade do primeiro round que Sonnen acertou golpes certeiros que desmobilizaram a guarda do brasileiro, que se viu obrigado a ficar na defensiva. O público parecia não acreditar: Sonnen começava a cumprir com a sua ousada promessa de que derrotaria o grande campeão brasileiro.

Sonnen não apenas venceu o primeiro round como manteve sua ótima e quase perfeita atuação durante toda a luta. Esperava-se por uma reação do brasileiro, mas ela não vinha. O americano dominava as ações, vencendo também os rounds 2, 3 e 4, o que obrigava o brasileiro a tentar uma vitória por nocaute. Se dependesse dos pontos, o cinturão já era para Sonnen. Caía o campeão.

A luta de Sonnen foi convincente, completa, perfeita - até os últimos segundos. Foi quando Anderson conseguiu reverter um duelo no chão e aplicou um golpe com os pés que prendeu o pescoço e a cabeça de Sonnen. Sufocado, acuado, sem ação, o americano deu leves e quase imperceptíveis batidas na perna do brasileiro, indicando desistência. Após o 'lapso', ele ainda tentou seguir lutando.

Mas já era tarde. O juiz, a poucos centímetros do lance, apitou o final. E o brasileiro, dominado durante todo o combate, a poucos segundos de um derrota que já era dada como inevitável, saiu-se vitorioso. Ele é o dono do cinturão desde 2006.

Após a luta, o vencedor mostrava muito mais cansaço que o perdedor. Anderson mal falava, andava cambaleando e tinha no rosto uma expressão de cansaço. Sonnen, por sua vez, estava de pé, imóvel, com as mãos na cintura e um olhar fixo, forte, vidrado no nada. Um olhar de incompreensão.

Já com o cinturão em mãos, o brasileiro se aproximou do americano, pôs o troféu no chão e se ajoelhou. Depois se ergueu e deu um longo e forte abraço no oponente. Sonnen mal mexeu os braços, cumprimentando de modo tímido, sem a energia que quase o fez campeão.

Era somente o segundo - e muito curto - momento da noite em que Anderson era mais forte que Sonnen. Cinturão é brasileiro, mas a noite foi americana

A batalha entre Anderson e Sonnen fechou a noite de cinco confrontos individuais entre brasileiros e americanos. No somatório, os EUA venceram por 3 a 2.

Antes da luta pelo cinturão, lutaram Jon Fitch e Thiago Alves, pelo meio-médio; Clay Guida e Rafael dos Anjos, pelo peso leve; Matt Hughes e Ricardo Almeida, pelo meio-médio, e Roy Nelson e Junior dos Santos, pelo peso pesado.