Após Ganso e Giovanni, Santos já promete 3ª estrela paraense

Dassler Marques, Portal Terra

SANTOS - É necessário cruzar quase todo o Brasil de ponta a ponta para sair de São Paulo e chegar até o Pará. Ao Santos o trajeto não tem sido muito difícil nos últimos anos. Na verdade, é um caminho saboroso, que traz craques até a Vila Belmiro.

O primeiro desse rol foi Giovanni, o Messias, vice-campeão brasileiro em 1995. Mais recentemente, Paulo Henrique Ganso, eleito o principal jogador da Copa do Brasil. Quem pensa que essa é uma história com fim, porém, deve olhar a equipe de juniores do Santos.

Por lá, desde o começo de 2009, mas especialmente neste ano, o atacante Tiago Alves, 18 anos, barbariza defesas adversárias. Natural de São João do Araguaia, cidade localizada a cerca de 8 horas de carro a partir da capital Belém, ele já é considerado a maior esperança santista para suceder os dribles de Neymar.

Não só no jeito de superar os marcadores e fazer gols: Tiago copia tudo do camisa 11 santista! "Não é marra. Eu me espelho no Neymar, no futebol dele. Por isso uso o meião acima do joelho, a gola levantada. Só procuro imitar as coisas dele", diz ao Terra com certa timidez. Ele até mora no mesmo prédio, em frente da Vila Belmiro, onde já morou Neymar.

O furacão Tiago

Tiago Alves já se mostrara um jogador interessante na Copa São Paulo, disputada em janeiro. Combinava força, técnica e velocidade, mas parecia falhar na hora das conclusões. Mais jovem que os demais, constantemente era relegado ao banco de reservas. Era preciso atenção para identificar seu talento na equipe vice-campeã júnior.

Com as cores do Santos, o atacante também esteve no Campeonato Paulista Sub-17, na Punta Cup e Taça BH. Discreto, só botou mesmo as asas de fora na Supercopa Paulista de Futebol Júnior, disputada em Barueri na última semana. O torneio teve transmissão ao vivo na televisão e Tiago Alves tratou de se apresentar. Fez quatro gols e foi o melhor da competição.

Apesar disso, o mais curioso é que Tiago ainda fica na reserva. "É opção do treinador, mas não me incomoda. Quando entro, procuro fazer o melhor, dar meu máximo", tenta explicar. O treinador Narciso e o auxiliar Abel Verônico, segundo ele, ainda pedem algumas melhoras.

"Pegam muito no meu pé para chutar com a direita. Mas não gosto", diz decidido. "Minha perna direita só serve para subir em ônibus". Por essa característica, ele não gosta de jogar aberto pelo lado esquerdo do ataque.

Por ora, com um inchado elenco profissional, a tendência é que o Santos não dê grandes oportunidades a Tiago. Em sua posição já atuam Neymar, Madson, Zezinho, Breitner e eventualmente até Marquinhos.

Aos 18 anos, ainda há muito tempo para o atacante paraense, cuja amizade com Paulo Henrique Ganso é superficial. "Conheci aqui em Santos mesmo, nos falamos pouco", diz. Pelo futebol que Tiago Alves tem mostrado, o futuro brilhante com a camisa santista tem tudo para ser o mesmo de Giovanni e Ganso.