Após errar estilo, Clodoaldo Silva é último e amplia decadência

Portal Terra

EINDHOVEN - Maior referência da história do esporte paraolímpico brasileiro, Clodoaldo Silva deu mais uma mostra de decadência em sua carreira vitoriosa. Após nadar costas em uma prova de borboleta, na segunda-feira, ele ficou em último na própria eliminatória de costas, nesta terça, no Mundial de Natação, em Eindhoven.

Entre sete competidores, Clodoaldo Silva foi o último de sua bateria e não obteve classificação para a final. No total dos 14 aspirantes à decisão, foi o antepenúltimo, com o tempo de 49s91. A prova foi válida pela classe S5 dos 50m.

Na manhã desta terça-feira, Clodoaldo ainda saltou na piscina para a disputa do revezamento 4x50m medley. Mesmo sendo discreto, ajudou os brasileiros a terminar sua bateria na segunda posição.

Com a aposentadoria praticamente anunciada para 2012, após os Jogos Paraolímpicos de Londres, Clodoaldo Silva experimenta uma queda brusca nos últimos anos. Teve uma lesão nas costas que o deixou de fora das piscinas por praticamente duas temporadas, o que prejudicou seriamente o trajeto até Eindhoven.

Nos Jogos de Pequim, em 2008, levou apenas uma prata e um bronze após ser obrigado a mudar de classe às vésperas da competição. Muito diferente do que ocorrera em Atenas-2004, quando empilhou seis ouros e ainda uma prata.

Apesar da fase ruim, o potiguar de 31 anos ainda é uma grande referência para todos os companheiros. Em entrevistas, Andre Brasil, Daniel Dias e outros nomes da delegação brasileira no Mundial normalmente citam Clodoaldo como fonte de inspiração, exemplo de liderança e especialmente pioneirismo na modalidade.

Mesmo com tanto respeito, o multicampeão só consegue enxergar um bom momento na piscina olhando para o passado. Ele seguirá insistindo: em Eindhoven, ainda disputa os 200m medley, os 200m livre e os 100m livre.