Boca Juniors se "intimida" com dança típica e perde na Nova Zelândia

Portal Terra

DA REDAÇÃO - O Boca Juniors viajou à Nova Zelândia para enfrentar a equipe do Wellington Phoenix nesta sexta-feira (23), mas foi surpreendido por uma dança típica de intimidação realizada pelos locais e acabou derrotado por 2 a 1. O duelo foi realizado na cidade de Wellington.

Antes do início do embate, o time argentino foi recepcionado pela tradicional haka, que é usada para dar as boas vindas aos visitantes ou para intimidar "tribos inimigas". O ritual deu certo, e a equipe argentina sucumbiu diante do adversário.

A dança é típica do povo Maori, que é nativo do território neozelandês, e é mundialmente conhecida por ser praticada antes de partidas de rúgbi no país e, principalmente, no período que antecede as partidas do All Blacks, a forte seleção da Nova Zelândia.

No jogo, o time argentino não resistiu aos ataques da equipe local, que contava com diversos atletas que disputaram a Copa do Mundo da África. Mc Allister abriu o placar no início da primeira etapa e Durante aumentou, mas também marcou, contra, o gol de honra do Boca Juniors, que ainda teve Christian Cellay expulso no tempo complementar.

Os argentinos entraram em campo sem alguns titulares. A equipe que iniciou o duelo contou com Javier García; Christian Cellay, Matías Caruzzo, Juan Insaurralde; Leando Marín, Cristian Erbes, Jesús Méndez, Fabián Monzón; Marcelo Cañete; Pablo Mouche e Lucas Viatri.

Essa foi a última partida da excursão do clube de Buenos Aires pela Oceania. Agora, as atenções do Boca se voltam à disputa do Torneio Apertura (Campeonato da Argentina), que começa em agosto e dura até dezembro.