Bruno César provoca Santos e admite "cópia" do Santo André

Dassler Marques, Portal Terra

SÃO PAULO - As duas partidas contra o Santos na final do Paulista ainda estão vivas na memória de Bruno César, o grande nome corintiano no triunfo do clássico de domingo. Vitorioso em seu primeiro jogo de titular pelo Corinthians, ele jogou como no Santo André e até provocou os santistas por terem reclamado da arbitragem de Sálvio Spínola no Pacaembu.

Bruno César se lembrou de um gol legal de Rodriguinho, na final do Paulista, que o mesmo Sálvio anulou, e ressaltou a vantagem corintiana dessa vez. "Dá um gol para eles que fica 4 a 3 para o Corinthians", disse ao Terra em entrevista exclusiva.

Segundo dados do Footstats, no time corintiano, Bruno César foi quem mais driblou (três) e finalizou (seis). Mesmo sem jogar os 90 minutos, foi o segundo a dar mais passes, atrás apenas de Roberto Carlos, e o terceiro a ter maior índice de posse de bola. Ainda recebeu duas faltas.

Confira a entrevista de Bruno César na íntegra:

Terra - Deu para notar no Corinthians um esquema tático idêntico ao do Santo André, fora até do que tem sido utilizado pelo Mano Menezes. Você também viu dessa forma?

Bruno César - Foi um pouco parecido, sim. Pelos dois jogos que fizemos na final do Paulista, acho que o Mano deve ter gostado e adotou isso.

E foi bem feito, porque os jogadores fizeram tudo bem e fomos felizes com a vitória sobre o Santos em um jogo tão importante como esse. Muita gente falava em favoritismo deles, mas o Corinthians mostrou que nao é lider por acaso.

Terra - O que você particularmente tirou de lição daqueles jogos contra o Santos e o que aprendeu sobre o adversário?

Bruno César - Sabia de alguns jogadores, conhecia como joga o Wesley, que sempre atuou do meu lado. A lição foi a tranquilidade que a gente teve com o Santo André no segundo jogo da final, de fazer gols certos na hoa certa. Dessa vez isso foi feito também. Tomamos um gol e fizemos outro.

Terra - O que o Mano pediu a você antes do jogo?

Bruno César - Ele me falou para jogar tranquilo, como tinha feito no Santo André, porque fui contratado por isso. Pediu para ajudar na marcação e fui feliz. Entrei e todos esperavam um Bruno César sentindo o peso da camisa e isso não aconteceu. Tive personalidade, fui coroado com gol e ajudando a equipe.

Terra - O Mano chegou a comentar que segurou sua estreia, que só aconteceu na quarta rodada, porque te sentiu introvertido no Corinthians. Você acha que estreou na hora certa?

Bruno César - É completamente diferente quando você chega em um clube, não se adapta no começo. Acho que ele fez bem e me colocou na hora certa. Todos me deram tranquilidade e confiança de entrar para ajudar a equipe, acho que isso me ajudou muito.

E o Mano também me deu essa confiança. Na quarta (após entrar contra o Prudente e fazer um gol de falta) ele conversou comigo, disse que ia tinha ido muito bem e era só fazer aquilo, não tinha segredo. Conversamos bastante durante a semana e a confiança foi correspondida com uma bela partida minha e do time.

Terra - O que achou das reclamações dos santistas sobre arbitragem?

Bruno César - O juiz não vai ser perfeito. Quando a bandeira errou a favor do Santos e contra o Santo André, ninguém falou nada. Eles reclamaram do gol anulado, então dá um gol para eles que fica 4 a 3 para o Corinthians. Nós tivemos méritos, fomos para cima e merecemos.

Terra - Em um campeonato que está na quinta rodada, o Corinthians já tem uma vantagem razoável para os times que estão logo atrás. O que isso significa na prática?

Bruno César - É cedo para título, mas queremos ganhar o campeonato ou classificar para a Libertadores. O começo foi muito bom e como a gente vai ter uma parada, quanto mais se distanciar é melhor para voltar com uma boa diferença.