Argentina vai chegar atrás do Brasil, diz Felipe Melo

Allen Chahad e Renato Pazikas, Portal Terra

JOHANNESBURGO - Apesar das dificuldades encontradas nas Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo, a Argentina realizará boas exibições na África do Sul. A previsão é do volante Felipe Melo, que, entretanto, já adianta que o time comandado por Diego Maradona terminará o Mundial atrás da Seleção Brasileira.

Em entrevista nesta segunda-feira em Johannesburgo, Felipe Melo lembrou que jamais acreditou que a Argentina não se classificaria à Copa, ainda que a equipe só tenha confirmado sua vaga na última rodada das Eliminatórias - venceu o Uruguai fora de casa por 1 a 0.

Assim, mostrou estar bastante atento quando questionado exatamente por um jornalista argentino sobre as chances de sucesso dos comandados de Maradona. "(A equipe) merecem respeito pela tradição e pelos jogadores que tem. Tenho certeza de que vai fazer bonito na Copa do Mundo, mas vai chegar atrás do Brasil, se Deus quiser", afirmou.

Caso argentinos e brasileiros liderem seus grupos ou sejam ambos os segundos colocados na primeira fase do Mundial, os rivais só poderiam se encontrar somente na final da competição. Já se avançarem ao mata-mata em posições diferentes em suas chaves, um eventual confronto seria antecipado para a semifinal.

Felipe Melo ainda ressaltou que a vitória por 3 a 1 obtida em Rosário em setembro de 2009, pelas Eliminatórias, pouco interferirá no modo como a Seleção trata os vizinhos. "A gente respeita a Argentina agora, como (fazíamos) antes de vencermos por 3 a 0 (sic)", disse.

Na hora de falar, o volante fez uma pequena confusão, pois não integrava o grupo brasileiro nas duas ocasiões recentes em que os argentinos foram batidos por 3 a 0: na final da Copa América de 2007 e em um amistoso realizado em Londres em setembro de 2006. Só em Rosário ele atuou - e como titular.

Como Felipe Melo atua na Juventus, também perguntaram-lhe na entrevista sobre a seleção italiana. A equipe, que conta com seis jogadores do clube de Turim, chegará à Copa do Mundo longe de seu melhor momento assim como a Argentina, visto que foi eliminada já na primeira fase da Copa das Confederações de 2009.

Sempre respeitando os adversários, o volante novamente preferiu evitar a polêmica. "Quando alguém me pergunta se o Brasil é favorito, digo que somos. Como a Itália também é - no último Mundial ela entrou sem ninguém dar nada", apontou, lembrando que o técnico Marcello Lippi, o mesmo da atualidade, levou um elenco desacreditado ao título na Alemanha há quatro anos. "Esta Copa tem todas as grandes seleções, e somos todos favoritos".