Federação camaronesa defende Eto'o e alfineta Milla

Portal Terra

SÃO PAULO - Confirmado na seleção camaronesa que vai à Copa do Mundo, Samuel Eto'o foi defendido pela federação de futebol do país (Fecafoot). A entidade confirmou todo o apoio ao atacante e ao técnico Paul Le Guen, duramente criticados recentemente pelo ex-jogador Roger Milla, quadrifinalista do Mundial de 1990.

Na semana passada, após o empate sem gols com a Geórgia, Milla atacou a lista de convocados de Camarões e afirmou que Le Guen não passa segurança a ninguém. O ídolo do futebol africano ainda se definiu insatisfeito por Eto'o não repetir na seleção as atuações que obtém nos clubes.

Na noite deste sábado, veio a resposta da Fecafoot. Em comunicado publicado no site oficial do órgão, o presidente da federação, Iya Mohammed, escreveu apoiar "sem reservas" o treinador e o atacante da Inter de Milão, da Itália.

Sem citar o nome de Milla, o dirigente alfinetou o ex-atleta ao apontar que "certas grandes figuras" de Camarões sempre "perturbam a serenidade" do time nacional. Ao final, convidou todo o público camaronês a "permanecer unido em torno dos Leões Indomáveis a fim de que eles representem dignamente" a nação.

Já neste domingo, Roger Milla ainda foi atacado por outro nome importante camaronês. Trata-se do ex-defensor Michel Kaham, que participou do Mundial de 1982 (eliminado na primeira fase) e atualmente é diretor do principal centro formação de jogadores da seleção do país.

Em uma carta publicada pelo site Camfoot, Kahan afirmou que as críticas do colega foram "indelicadas e inoportunas" e feitas "voluntariamente à imprensa", tendo "certamente fragilizado" Eto'o, que desde agosto é o capitão de Le Guen, substituindo o veterano zagueiro Rigobert Song, 33 anos.

Ele ainda aproveitou para lembrar que Camarões só não foi ainda mais longe em 1990, na Itália, porque o grupo era composto "em sua maioria por egos".