Bellucci ante o desafio de ser um novo Guga

Agência AFP

PARIS - O brasileiro Thomaz Bellucci, de 22 anos, último representante sul-americano ainda presente no Aberto da França 2010, é um tenista com muito talento e que se caracteriza por uma grande discrição enquanto prossegue queimando etapas nas quadras de Roland Garros.

No entanto, nas oitavas de final, na segunda-feira, terá diante de si nada mais, nada menos do que o "rei do saibro", o espanhol Rafael Nadal, tetracampeão em Paris, que, após passar pelo Grand Slam em branco, quer voltar à forma.

A lógica obviamente aponta para o triunfo do espanhol, mas, mesmo assim, provavelmente será um belo espetáculo, com um duelo emocionante entre canhotos.

Estes dois jogadores se enfrentaram na primeira rodada de Roland Garros em 2008, e o espanhol ganhou por três sets seguidos: 7-5, 6-3, 6-1.

Agora, sorrateiramente, o jogador brasileiro alto, esguio (1,88 m e 80 kg) e tímido, mas que se expressa muito bem em espanhol e inglês, foi derrotando um a um seus adversários.

Em 2009, perdeu já na primeira rodada, mas nesta edição do Aberto da França, avançou derrotando, sucessivamente, o francês Michael Llodra por 6-4, 6-2 e 6-2; o espanhol Pablo Andujar em uma partida longa de cinco sets por 1-6, 6-3, 2-6, 6-4 e 6-2; e, contra todas as probabilidades, na terceira rodada, o croata Ivan Ljubicic (N.14) por 7-6 (07/04), 6-2 e 6-4.

Thomaz Cocchiarali Bellucci nasceu em 30 de dezembro de 1987, no município paulista do Tietê, em uma família de classe média. Seus pais se chamam Ildebrando e Maria Regina, e ele tem uma única irmã, Beatriz.

Como a maioria dos grandes nomes do circuito, começou jogando nos torneios "Future" e "Challenger" até conseguir um lugar no time brasileiro da Copa Davis.

Mas, depois de alternar vitórias e derrotas, sem perder o ritmo, em alguns torneios ATP na América do Sul, deu seu grande salto qualitativo em 2009, quando no torneio Brasil Open, na Costa de Sauípe (BA), chegou à final, embora tenha perdido para o experiente espanhol Tommy Robredo (por 6-3, 3-6, 6-4).

Posteriormente, em agosto, enfrentou alemão Andreas Beck na final do torneio de Gstaad, na Suíça, conseguindo seu primeiro título profissional e, no fim do ano, chegou às semifinais do torneio de Estocolmo.

Depois de terminar em 40 º lugar no ranking da ATP em 2009, no Aberto da França em Roland Garros chegou a ocupar o 28º. Assim, com uma progressão de 12 posições em menos de cinco meses, ninguém deve ficar surpreso ao vê-lo logo no Top-20, seu grande objetivo pessoal hoje.

Entre outros torneios, alcançou as quartas de final em Brisbane, caiu na segunda rodada no Aberto da Austrália e ganhou a final do torneio ATP em Santiago do Chile, seu primeiro título nesta temporada.

Bellucci, com um estilo diferente, mas com qualidade suficiente, parece destinado a ocupar no tênis brasileiro um lugar que está vago desde a aposentadoria do tenista Gustavo Kuerten, o Guga, tricampeão em Paris e maior nome do esporte ainda hoje, pelas recordações inesquecíveis que ficaram gravadas nas memórias dos fãs de tênis.