Dunga chama homens de confiança e exclui Adriano após chances

Tiago Leite , Jornal do Brasil

RIO - Vinte e três nomes e um objetivo: triunfar na África do Sul. Para tanto, Dunga aposta na coerência de seu discurso e no compromisso de seus comandados para fechar a lista dos convocados. Ao barrar Adriano, Ronaldinho, Neymar e Ganso, o técnico montou uma Seleção a sua imagem. As palavras coerência e compromisso foram repetidas à exaustão pelo treinador, terça-feira, após o anúncio, feito sem a presença de Dunga, com os nomes aparecendo num telão. De camisa verde de botão, com outra de malha, amarela, por baixo, Dunga optou por quem o acompanhou na maior parte dos jogos desde 2007.

O atacante Grafite, convocado apenas três vezes, foi a exceção e a maior surpresa. Ele entrou no lugar de Adriano. As suspeitas de que o Imperador seria excluído, por conta de problemas extracampo, foram confirmadas e ele sequer está presente entre os sete jogadores da lista de espera. Ganso e Ronaldinho Gaúcho, outros dois jogadores pedidos pela torcida, fazem parte da lista de espera. Junto a eles estão Alex, Diego Tardelli, Carlos Eduardo, Marcelo e Sandro.

Dunga convocou o mesmo grupo que disputou o último amistoso contra a Irlanda, em março. Por isso, as poucas dúvidas foram confirmadas sem surpresas. Os goleiros Doni e Gomes serão os reservas de Julio Cesar. Na lateral esquerda foram chamados Gilberto e Michel Bastos. Thiago Silva foi confirmado na zaga. O volante Kleberson, do Flamengo, garantiu a última vaga no meio.

Dunga ressaltou que a equipe foi construída durante os três anos e meio de trabalho. Dos 23, apenas Michel Bastos, Thiago Silva, Kleberson e Grafite não foram campeões com o treinador.

O maior ganho nesses anos foi o resgate da paixão, da vontade dos jogadores em vestir a camisa amarela. Gostaria de frisar os títulos que esses jogadores têm pelo Brasil. Nós montamos uma Seleção vencedora. Se vamos ganhar, ou não, é outro assunto. Mas o torcedor pode ter certeza de que estamos preparados e vamos buscar nossos objetivos prometeu.

Coração x razão

A única surpresa foi a ausência de Adriano. Depois de voltar ao futebol e ser o destaque da conquista do título brasileiro do Flamengo, Adriano era nome certo na lista de Dunga. Mas o Imperador enfrenta uma temporada turbulenta, com polêmicas fora de campo e ausência de treinos e jogos. Em 2010, ele já faltou a 13 treinamentos no rubro-negro.

O prestígio com o técnico e a autossuficiência de que seria convocado podem ter feito Adriano pensar que suas recentes atitudes não lhe trariam risco. Entretanto, o atacante pôde constatar terça-feira que as palavras comprometimento e coerência tão citadas por Dunga não são da boca para fora. Adriano fez justamente o contrário do que prega o treinador. Não se empenhou, ganhou peso e perdeu a Copa. A prova de que o Imperador jogou por terra sua segunda participação no torneio é que Grafite, que jogou apenas 27 minutos com a amarelinha, foi confirmado.

Sobre o Adriano, nós demos inúmeras chances para se reverter uma situação. Mas aí vêm aquelas velhas palavras que repito: coerência e comprometimento. Chegou um momento que tivemos que tomar uma decisão pelo aspecto coletivo, que é o mais importante da Seleção. Meu coração fala uma coisa, mas a razão por aquilo que estou representando, que é o mais país, diz outra. E tenho que ir nesse caminho.

O técnico justificou a escolha por Grafite.

Tem pessoas que ganham inúmeras oportunidades e acham que vão ter sempre a próxima. Tem outras que em cinco minutos dizem a que vieram. Quando o Grafite entrou mostrou postura de campeão e personalidade.

Lista foi fechada há 1 semana, após testes com 89 jogadores

Em três anos e meio à frente da Seleção Brasileira, Dunga disputou 53 jogos, com 37 vitórias, 11 empates e apenas cinco derrotas. Nesse período, foram observados 89 jogadores, de onde saíram os 23 da lista final para a Copa do Mundo. Mantendo a mesma base durante todo o trabalho, o técnico não teve dificuldades na convocação final, que foi fechada há uma semana.

É um trabalho de três anos e meio. Desde o início, explicamos a todos os jogadores convocados a nossa filosofia. Passamos a eles que, se correspondessem em campo, iriam continuar. Não se pode em 15 dias mudar tudo que você falou, tudo o que foi plantado.

O maior exemplo de comprometimento entre técnico e jogadores é a manutenção de nomes como Doni e Julio Baptista, atualmente reservas no Roma. A história que ambos construíram na Seleção é sólida o bastante para disputarem a Copa, diz Dunga.

Há um jogador chamado Totti, que é o dono de Roma, só não é maior que o Nero, e o Julio joga nessa posição. Já o Doni teve um atrito no seu clube por decidir jogar pela Seleção contra a Inglaterra, no final do ano passado. Quando ele voltou para o clube foi colocado na reserva. Se eu, como comandante, coloquei desde o início comprometimento e paixão pela Seleção, quando o jogador tem essa decisão e o clube penaliza eu não o convoco mais?

Neymar e Ganso

Dunga comentou as ausências de Neymar e Ganso, maiores sensações do futebol brasileiro. O técnico elogiou a jovem dupla do Santos, mas disse que eles ainda precisam ser testados na Seleção.

Esses guris, de fevereiro para cá, tiveram um salto. Eles não são o futuro, são o presente. Mas é preciso lembrar que até dezembro eles eram reservas do Santos. E ninguém falou que o Ganso foi ser reserva da Seleção sub-20, que na sub-17, com o Neymar, o Brasil foi eliminado na primeira fase disse Dunga, afiado quando perguntado sobre a convocação de Pelé na Copa de 58. Se vocês encontrarem o Pelé me tragam. Vai ser capitão e dono do time. O Pelé, antes de 58, já tinha jogado partidas pela Seleção principal e amistosos.

Dunga terá que entregar no dia 1º de junho, prazo estipulado pela Fifa, a lista oficial dos 23 nomes, selecionados entre os 30 divulgados terça-feira. Depois da data, o técnico só poderá fazer alterações em caso de contusão, até 24 horas antes da estreia do Brasil. Nesse caso, o substituto pode ser qualquer jogador, mesmo não fazendo parte dos sete excluídos da relação final.