Andrade tem ascensão e queda meteórica como efetivo do Flamengo

Portal Terra

RIO DE JANEIRO - Na mesma velocidade em que despontou como revelação de técnico no último ano a ponto de ganhar o prêmio de melhor do Campeonato Brasileiro, Andrade caiu em descrédito no Flamengo e foi demitido quatro meses e meio depois de ser campeão nacional. A sequência de más exibições pela Copa Libertadores e as eliminações na Taça Guanabara e Taça Rio minaram a sua permanência.

Andrade foi efetivado como técnico do Flamengo no dia 1º de agosto do ano passado. Antes disso, assumiu interinamente - o clube ocupava a 11ª posição e estava à beira da crise - o lugar do demitido Cuca e levou o time a dois triunfos seguidos, sobre Santos e Atlético-MG. A diretoria rubro-negra resolveu dar uma chance para o eterno interino, ídolo do clube nos tempos de jogador, que frequentemente virava tampão diante das constantes trocas de treinador do clube.

Sob seu comando, o time protagonizou uma arrancada surpreendente no segundo turno e levantou o troféu na última rodada, no dia 6 de dezembro, com um triunfo de virada por 2 a 1 contra o Grêmio, em um Maracanã completamente lotado.

A repercussão foi quase unânime: a simplicidade no banco de reservas e a sinceridade no discurso de Andrade formaram a fórmula mágica que levou o clube ao título brasileiro. Curiosamente, o que era uma qualidade virou defeito com o desgaste de seu trabalho nos últimos meses à frente do clube.

Em 2010, mais um astro chegou: Vagner Love. Petkovic, co-estrela do título brasileiro, foi afastado do time - a justificativa era de que o sérvio não estava em sua melhor forma física. Adriano perdeu jogos importantes, primeiro por conta de sua briga com a ex-noiva Joana Machado, depois por uma lesão muscular. Nos vestiários, notícias de que o ambiente estava rachado, com briga declarada entre Petkovic e Leonardo Moura após a derrota para o Universidad Católica no Chile.

Eliminado no Estadual, o clube se classificou às oitavas na Copa Libertadores graças a uma combinação de resultados na última rodada. A culpa recaiu toda sobre a direção técnica, e a certeza da direção de falta de pulso dentro do elenco era tão grande que nem segurar o técnico para o confronto contra o Corinthians, já nesta quarta-feira, a diretoria segurou.

O desfecho e o modo como a fritura foi conduzida, com informações vazadas desde a última segunda-feira de que o treinador estava fora, abalam a relação entre um jogador histórico e o clube. Uma pequena faísca já havia saído diante da complicada negociação para renovação de contrato, com Andrade pedindo aumento salarial considerado abusivo pela presidente Patrícia Amorim.

De qualquer forma, para o torcedor rubro-negro Andrade continuará sendo o volante de muita técnica, dotado de excelente visão de jogo e capaz de realizar lançamentos de longa distância com extrema perfeição, campeão campeão do mundo em 1981 e brasileiro nos anos de 1980, 1982, 1983, além do polêmico título da Copa União de 1987 ¿ não reconhecido pela CBF como Brasileiro. E que como técnico levou o Flamengo ao título de 2009.