Pubalgia e dores colocam em xeque aproveitamento de Kaká na Copa

Tiago Leite, Jornal do Brasil

RIO - A 51 dias da Copa do Mundo, a infortuna rotina de Kaká segue inalterada. Fora dos gramados desde o dia 10 de março, o principal jogador da Seleção Brasileira voltou a treinar separado dos companheiros de Real Madrid, terça-feira. Ao contrário das expectativas, Kaká apenas ouviu a palestra do técnico Manuel Pellegrini e depois foi para o ginásio do clube continuar o trabalho de recuperação da pubalgia e de uma lesão muscular na coxa esquerda. Sendo assim, sua escalação para o jogo contra o Zaragoza, neste fim de semana, é praticamente impossível.

Apesar do longo período de inatividade e das dúvidas sobre quais condições físicas Kaká se apresentará à Seleção Brasileira, que inicia a preparação para a Copa dia 22 de maio, o chefe do departamento médico do Brasil, José Luiz Runco, afirma que a situação do meia não preocupa.

Não conversamos com os profissionais do clube. Mantemos contato semanal diretamente com o Kaká. E a informação que ele me passou é que está tudo bem. Apesar de não estar jogando, ele está tranquilo. Não vejo nenhuma grande preocupação, pelo menos é isso que o Kaká nos tem passado disse Runco.

Numa Seleção que prima pelo forte conjunto, Kaká é o talento individual capaz de decidir uma partida. Com as seguidas contusões, corre-se o risco de Dunga ter sua peça fundamental longe das melhores condições. No elenco que vem sendo convocado pelo treinador, não há jogadores com as mesmas características, e o reserva imediato é Júlio Baptista. Runco não confirma, mas há duas semanas o departamento médico da Seleção Brasileira pensou mandar um profissional a Madri para avaliar Kaká. Como o jogador havia melhorado da pubalgia, a ideia foi abortada.

É o próprio atleta quem tem que solicitar a ajuda de algum profissional da nossa comissão técnica colocou Runco.

Mesmo que Kaká esteja totalmente recuperado clinicamente, não se sabe como estará seu condicionamento físico. Runco diz que, a princípio, não será feito nenhum trabalho específico com o meia durante o período de preparação da equipe, de 22 a 26 de maio, no centro de treinamento do Atlético-PR, em Curitiba, antes de embarcar para a África do Sul.

Isso só poderei falar quando estiver com ele. A última vez que o avaliei foi no amistoso contra a Irlanda (no dia 2 de março). A princípio, ele integrará o planejamento normal com o restante do grupo explicou o médico.

A última partida de Kaká foi no empate em 1 a 1 contra o Lyon, pelas oitavas de final da Liga dos Campeões da Europa. Na ocasião, o Real Madrid foi eliminado da competição e Kaká muito vaiado pela torcida merengue ao ser substituído no segundo tempo.

Além dos problemas físicos, a recente fase técnica de Kaká é contestada pelos torcedores do Real Madrid. No meio do ano passado, o clube espanhol desembolsou 65 milhões de euros (cerca de R$ 178 milhões) para contratar junto ao Milan o jogador eleito como o melhor do mundo em 2007. Para a torcida merengue, o camisa 8 ainda não correspondeu ao investimento.

Apenas 11 vezes em campo

A lesão no púbis tirou Kaká de ação em boa parte parte dos jogos do Real Madrid em 2010. Esta ano, o craque entrou em campo apenas 11 vezes, sendo oito pelo Campeonato Espanhol, e duas pela Liga dos Campeões e uma no amistoso contra a Irlanda. Ele marcou quatro gols e foi substituído em seis oportunidades.

Kaká deu esperanças de voltar a jogar no clássico contra o Barcelona, há dez dias. Mas o problema na coxa o deixou de fora não só do maior clássico da Espanha, como nos dois jogos seguintes. Na vitória do Real Madrid contra o Valencia, no último domingo, Kaká completou oito rodadas sem entrar em campo.

Terça-feira, a equipe começou os preparativos para o jogo contra o Zaragoza, pela 34ª rodada do Campeonato Espanhol, sem seu camisa 8. Faltando cinco rodadas para o fim da competição o Real lidera com, 83 pontos tantos os torcedores merengues quanto os brasileiros não sabem quando poderão contar com Kaká.