Na "Noite do 10", Argentina esquece passado e celebra Maradona

Portal Terra

ARGENTINA - A vitória por 1 a 0 sobre a Alemanha, obtida na última quarta-feira, fez a Argentina esquecer o histórico ruim e comemorar a nova escalação de Diego Armando Maradona. Segundo a imprensa do país, o time atual, muito forte na defesa e especializado no contra-ataque - jogada através da qual Higuaín decidiu o amistoso em Munique - é bem superior àquele que só se classificou à Copa do Mundo no encerramento das Eliminatórias Sul-Americanas.

Para o diário Olé, a noite passada na Alemanha nesta quarta foi a "Noite do 10", em uma referência ao nome do programa de televisão que o ídolo chegou a estrelar em 2005. Ainda que destaque falhas da equipe, que no ataque tem pouco "jogo e imaginação", a publicação elogia o desempenho em geral, "melhor que o esperado".

A sensação de evolução em relação à equipe "anárquica" que se complicou para avançar à Copa do Mundo é ratificada por Maradona. "Queríamos mostrar em uma grande partida contra os alemães que estamos vivos. Era um partido de quartas de final de um Mundial e jogamos de acordo com nossos valores", disse ele, que de tão bem-humorado na conferência de imprensa reclamou que os repórteres estavam fazendo poucas perguntas.

O treinador, que tem "60%" do grupo para a África do Sul já certo, deve apostar nos mesmos titulares desta quarta de olho em 12 de junho, quando a seleção estreia na Copa ante a Nigéria. Essa equipe, com a exceção de Samuel, agora dono da vaga que era de Schiavi, foi exatamente aquela que venceu o Uruguai em 15 de outubro de 2009, confirmando a vaga na Copa.

Com Samuel e Demichelis na zaga e Otamendi e Heinze nas laterais, Maradona acredita ter encontrado enfim uma defesa forte, conforme aponta o Olé. Um dos principais jornais da Argentina, o Clarín, ratificou essa tese, tendo classificado o resultado como um "festejo que serve" e afirmado que o primeiro tempo da última partida foi "um dos melhores" em termos defensivos sob o comando do técnico.

Desde que assumiu o cargo, em outubro de 2008, o ex-jogador viu seu time sofrer 21 gols em 17 partidas, mas parece ter corrigido os problemas. O diário La Nación, nesse contexto, comemorou dizendo que a equipe já existe e tem um esquema defensivo baseado na pressão da marcação em vários setores e no desequilíbrio individual em contra-ataques.