Indignado com demissão, Zico promete buscar seus direitos na Fifa

Jornal do Brasil

ATENAS - Ídolo maior da torcida do Flamengo, Zico não teve o mesmo carinho recebido no Brasil por parte dos dirigentes do Olympiacos, time grego que ele dirigia até o fim de semana. Despedido do comando da equipe na terça-feira mesmo tendo classificado o time para as oitavas-de-final da Liga dos Campeões, o treinador brasileiro Zico demonstrou indignação em virtude da forma como se deu sua saída do Olympiacos a equipe ocupa a segunda posição na tabela do Campeonato Grego.

Em entrevista ao Bandsports, Zico desabafou. Ele criticou os dirigentes do clube grego, o comportamento dos torcedores (houve uma grande briga na partida entre o Olympiakos e o Kavala, no domingo) e prometeu ir até o fim para valer o que tinha acertado em contrato.

Há quatro rodadas estávamos na liderança, mas perdemos jogadores importantes, principalmente o Dudu (Cearense) e de um ponto na frente ficamos sete atrás - analisou o treinador.

Zico contou que só soube de sua demissão através de um mandado judicial. Além disso, explicou que os dirigentes gregos não vão cumprir com o combinado no contrato em caso de rescisão.

A forma como aconteceu foi desrespeitosa, quando você não quer contar com serviço de alguém, chega no olho no olho e diz, respeita o que está em contrato. Me deixou perplexo ouvir do vice-presidente que não respeitaria o que tem no contrato. Vou à Fifa exigir meus direitos, não vou abrir não - disse o Galinho.

Preconceito e violência

O treinador, que teve passagens pelo Fenerbahçe e pelo CSKA antes de assumir o time grego, se diz decepcionado com a atitude dos torcedores no futebol europeu.

Na Rússia, era jogador sendo xingado por racismo. Na Turquia, é gente atirando pilha, foguete. Aqui no último domingo foi uma batalha campal reclamou Zico.