Botafogo prepara lançamento de estátua de Garrincha

Pamella Lima, Jornal do Brasil

RIO - O Brasil é tido como um país de memória curta. Mas, parece que o ditado não se aplica à torcida do Botafogo. No próximo domingo, antes de a bola rolar para o time alvinegro contra o Vasco, ilustres botafoguenses irão inaugurar, na ala oeste do Engenhão, a estátua de um ídolo do Glorioso: Manoel Francisco dos Santos, o Mané Garrincha.

- A idéia é fazer um "Pantheon" para homenagear os grandes jogadores do time, de todas as épocas - revela Edgar Duvivier, artista plástico responsável pelas estátuas de Garrincha e Nilton Santos - esta inaugurada em setembro do ano passado.

O monumento mede quatro metros e meio de altura (dois deles de pedestal) e levou quase três meses para ficar pronto.

- É preciso arte, técnica, dinheiro e vontade - diz o artista, explicando as etapas da obra:

- São diversos processos que vão desde à escolha da pose, à criação da maquete em gesso, à sua ampliação para o modelo no tamanho final e ao acabamento em bronze.

Para realizar o projeto, foi preciso que botafoguenses ilustres e anônimos contribuíssem em 16 parcelas, individuais ou em grupo, de R$ 3.500,00.

Garrincha atuou 12 anos pelo Glorioso (1953-1965), foi campeão carioca pelo clube em 1957, 1961 e 1962.

- Optamos por uma atitude típica na qual o Garrincha ficava parado, com a bola na frente dos pés, esperando o adversário chegar (como na brincadeira de bobinho), para dar um drible infernal no adversário - explica Duvivier.

O Anjo da Perna Torta (sua perna esquerda era seis centímetros mais curta que a direita, e flexionada para o lado oposto) é uma das maiores lendas do futebol mundial. Garrincha morreu no dia 20 de janeiro 1983, em decorrência de cirrose hepática.

El Loco regularizado

El Loco Abreu teve sua situação regularizada junto à CBF e à Ferj. O jogador, no entanto, ficará de fora do jogo contra o Friburguense para ganhar mais condicionamento físico para o clássico contra o Vasco, no domingo.

O Botafogo divulgará um patrocínio de R$ 15 milhões com uma empresa de eletrodoméstico. Fontes ligada ao clube garantem que é a Philco, mas preferem anonimato, já que a estratégia do marketing é guardar o nome em segredo até o clássico.