Conheça a maldição que assombra o tetra carioca do Flamengo

Dassler Marques, Portal Terra

RIO - Cinco vezes tricampeão carioca, o Flamengo jamais foi tetra. Esse é o desafio que se anuncia para esta nova edição do Estadual que começa neste fim de semana. Nas linhas abaixo, conheça mais da maldição do Fla, que bateu o Botafogo em 2007, 2008 e 2009. Mas que precisará quebrar uma escrita inédita em 2010.

O primeiro tri - 1942/43/44

Na década de 40, o Flamengo conquistou três títulos cariocas, todos em sequência. Em dois deles, tinha o grande Domingos da Guia em sua linha defensiva, mas Zizinho no meio-campo e os grandes Valido e Pirilo no ataque. Nada disso foi suficiente para conquistar o tetra, em 1945.

Foi neste ano que se iniciou o grande Expresso da Vitória do Vasco, liderado pelo técnico uruguaio Ondino Vieira. Vice-campeão em 44, o time cruzmaltino foi o primeiro campeão invicto na história do Campeonato Carioca, quebrando nove anos de jejum.

O Vasco venceria cinco estaduais nos anos seguintes e ainda o histórico Sul-Americano de 1948. O Fla, em baixa, terminou na quarta posição, atrás do vice Botafogo e do América-RJ.

O Fla do tricampeonato: Jurandir; Newton, Quirino, Biguá, Bria, Jaime, Valido, Zizinho, Pirilo, Tião e Vevé. Técnico: Flávio Costa

O Vasco campeão de 45: Barbosa; Augusto, Rafagnelli, Alfredo II, Ely, Berascochea, Santo Cristo, Ademir, Isaías, Jair e Chico. Técnico: Ondino Vieira

O segundo tri - 1953/54/55

Após perder a chance do tetra, o Flamengo demorou a ter um time forte novamente no Carioca. Em 1952 é que conseguiu chegar até a decisão, mas caiu contra o Vasco, no que seria quase o fim do famoso Expresso. No ano seguinte, iniciou uma nova trilogia. Índio, centroavante brasileiro na Copa de 54, era um dos destaques.

Ele ganhou a companhia de mais três atacantes de peso: Zagallo, Dida e Evaristo Macedo. No terceiro título, um 4 a 1 sobre o América-RJ, com quatro gols de Dida, anunciava um novo domínio no futebol carioca. A maldição do tri, no entanto, reapareceu em 1956.

O Flamengo chegou ao ano seguinte apontado como favorito, mas o Vasco surpreenderia. Agora com Martim Francisco como treinador e três jogadores que seriam campeões do mundo em 1958 - Carlos Alberto, Bellini e Vavá -, os vascaínos ganharam a taça em formato de pontos corridos com uma rodada de antecedência, batendo o Bangu em São Januário. O Fla foi quarto.

O Fla do tricampeonato: Chamorro; Tomires, Pavão, Servílio, Dequinha, Jordan, Joel, Duca, Evaristo, Dida e Zagalo. Técnico: Fleitas Solich

O Vasco campeão de 56: Carlos Alberto; Paulinho, Bellini, Laerte, Orlando; Coronel, Lierte e Livinho; Vavá, Valter e Pinga. Técnico: Martim Francisco

O terceiro tri - 1978/79/79

O fim dos anos 70 marca uma nova era na organização do futebol carioca, que viu surgir a FERJ, federação até os dias de hoje, a partir da fusão da FCF (Federação Carioca) e FFD (Federação Fluminense). Em 78, foi organizado um campeonato só com equipes da capital, classificando para o torneio de âmbito estadual no início de 79.

O início da terceira trilogia do Fla no Rio de Janeiro foi com este título, conquistado já com ícones como Júnior, Adílio, Zico e Tita no elenco. Rondinelli, que fez o gol do título contra o Vasco, ficaria eternizado.

O Flamengo abriu 1979 ganhando tudo no torneio estadual que reunía agora os clubes de todo o estado. Campeão invicto, venceu os dois turnos e, na fase final, ratificou sua superioridade, agora com o acréscimo do então jovem volante Andrade. No mesmo ano, o Rio teve outro estadual, que o Fla também venceu turno e returno, sendo campeão direto. Curiosamente, a temporada 79 teve o Brasileiro e o Carioca mais inchados da história.

Com formato semelhante ao atual, o Carioca de 80 ficou nas Laranjeiras. O Flamengo bobeou nos dois turnos, vencidos por Flu e Vasco, respectivamente. No segundo, perdeu a liderança ao ser derrotado pelo Serrano. O Fluminense levou a melhor na finalíssima de jogo único graças a um gol do zagueiro Edinho. Tetra mesmo só Cláudio Adão, tri com o Fla e campeão de 1980 com o Flu.

O Fla do tricampeonato: Cantarele, Toninho, Rondineli, Manguito, Júnior, Andrade, Carpegiani, Adilio, Reinaldo, Claudio Adão e Júlio Cesar. Técnico: Claudio Coutinho

O Fluminense campeão de 80: Paulo Goulart, Edevaldo, Tadeu, Edinho e Rubens Galaxe; Delei, Mário e Gilberto; Mário Jorge, Cláudio Adão e Zezé. Técnico: Nelsinho

O quarto tri

Depois de ser vice-campeão do Mundial Interclubes, o Vasco emplacou uma sequência de mais três vices contra o Fla em decisões do Carioca. Primeiro, em gol de Rodrigo Mendes para o Flamengo, que teve Carlinhos, sempre ele, assumindo o barco em meio ao campeonato, no lugar de Evaristo de Macedo.

Em 2000, logo após ser vice de outro Mundial, organizado pela Fifa no Brasil, o grande time do Vasco caiu de novo contra o Flamengo, que teve Carpegiani, Carlos César e foi campeão com...Carlinhos de novo. Mesmo contra Romário, o Fla venceu a Taça Rio contra o Friburguense e bateu os vascaínos duas vezes na decisão. Athirson estava no auge.

O tri é inesquecível para os flamenguistas, que repetiram a dose com o famoso gol de Petkovic no fim do jogo. Do tetra que não veio, porém, pouca gente se lembra: esvaziado pela Liga Rio-São Paulo, o Campeonato Carioca foi apelidado de Caixão, graças a um imbróglio judicial envolvendo Eduardo Viana, o famoso Caixa D'Água, ex-presidente da FERJ. O Flu ficou com a taça, reconhecida apenas sete anos depois.

O Fla do tricampeonato: Júlio Cesar; Alessandro(Maurinho), Fernando, Juan e Cassio; Leandro Ávila, Rocha, Beto(Jorginho) e Petkovic; Reinaldo(Roma) e Edilson. Técnico: Zagallo

O Fluminense campeão de 2002: Murilo; Flávio, Maurício Fernandes (César), Régis e Roberto Brum; Fabinho, Marcão, Fernando Diniz e Marco Brito (Sidney); Magno Alves e Roni (Júlio César).Técnico: Robertinho