Quatro vezes Marta

Jornal do Brasil

ZURIQUE - Aos 23 anos de idade, a alagoana Marta Vieira da Silva ainda tem muito tempo de futebol pela frente. É de se esperar que sua galeria de prêmios esteja recheada de estatuetas quando encerrar a carreira. Ontem, em Zurique, na Suíça, a brasileira foi a primeiro atleta a conquistar pela quarta vez o prêmio de melhor do mundo da Fifa - já havia vencido em 2006, 2007 e 2008. Depois de Marta, apenas Zidane e Ronaldo têm três conquistas de melhor do mundo mas não de forma consecutiva.

Com mais votos (833), ela bateu a conterrânea Cristiane (239), as alemãs Birgit Prinz (290) e Inka Grings (216), além da inglesa Kelly Smith (252). Um ano perfeito para a jogadora, que deixou o futebol europeu para desbravar o Campeonato Americano e voltou ao Brasil para jogar no Santos. Sem conseguir segurar o choro, Marta emocionou-se no discurso.

Estou realmente surpresa. Primeiro, agradeço a Deus por tudo o que vem acontecendo em minha vida. É inevitável não me emocionar neste momento. O dia em que eu parar de me emocionar, o futebol acaba para mim - comentou Marta, ao receber seu quarto troféu. Estou muito feliz por ter ganho, é a primeira vez que alguém consegue quatro vezes, e é muito bom que tenha sido uma mulher a ter conseguido. Para o futebol feminino, de um modo geral, espero que seja um incentivo. E que essa modalidade possa crescer mais.

Messi ganha entre os homens

Outro ponto alto da cerimônia foi a coroação do argentino Lionel Messi no prêmio masculino. O favoritismo se confirmou e o jogador do Barcelona levou mais um troféu para casa, batendo seus companheiros de equipe Xavi e Iniesta, além dos craques do Real Madrid Cristiano Ronaldo e Kaká.

É uma grande honra receber esse prêmio, porque foi dado por companheiros de outras seleções - disse Messi, ao receber o troféu. Quero agradecer também aos meus colegas de clube. Esta conquista significa terminar este ano da melhor maneira possível, para mim e para o Barcelona.

O argentino recebeu 1.073 votos de técnicos e capitães de 147 seleções nacionais bem à frente dos 352 de Cristiano Ronaldo. O jogador português foi o segundo mais votado, seguido pelo espanhol Xavi (196), pelo brasileiro Kaká (190) e pelo também espanhol Iniesta (134).