Flamengo atribui boa fase ao ótimo relacionamento do grupo

Da redação, Jornal do Brasil

RIO - O tropeço diante do Barueri, na quarta-feira, já foi digerido. A vitória de 1 a 0 sobre o Santos, sábado, no Maracanã, devolveu ao Flamengo a confiança que o time necessita para continuar sonhando, primeiro com a vaga na Libertadores, depois com o título brasileiro, principalmente depois de ter sido ajudado pelos rivais cariocas na rodada com as vitórias do Botafogo sobre o Internacional e do Fluminense sobre o Cruzeiro, a equipe permanece no G4, na quarta posição, com 54 pontos.

O próximo compromisso é indigesto, o Atlético-MG, no Mineirão. Mas nada como um resultado surpreendente fora de casa, assim como aconteceu contra o Palmeiras, para o clube rubro-negro encurtar a distância para as primeiras posições.

Ontem e hoje, os jogadores curtem merecida folga. O time se reapresenta amanhã, na Gávea, embalado pela estimulante reta final da competição nacional. O Galo é um adversário na luta pelo título. Tem Diego Tardelli, um dos artilheiros do campeonato e uma fanática torcida a seu favor. Mesmo assim, o Flamengo tem provado que não se intimida em jogos fora de casa. A derrota de 2 a 0 para o Barueri, numa noite sem Petkovic e em que nada deu certo, garantem os jogadores, já faz parte do passado. O olhar está no futuro.

E para aumentar a confiança do grupo, alguns fatores vêm contribuindo para o crescimento da equipe comandada por Andrade. Além de uma equipe mais centrada e sem crises internas desde a saída de Cuca, o ambiente hoje é de jogadores que se gostam e que em campo correm pelo companheiro. Sem contar que o Flamengo conta com a fase excepcional de Adriano, fazendo gol de tudo quanto é jeito; com a ótima fase de Pet; com os acertos após as entradas de Álvaro e Maldonado e com da boa fase de Bruno, que voltou a ter atuações memoráveis. Sábado, contra o Santos, defendeu nada menos do que dois pênaltis. Isso sem falar que, na vitória de 1 a 0 sobre o Botafogo, no Engenhão, pegara uma cobrança de Lucio Flávio.

Além dos jogadores citados, Leonardo Moura tem subido de rendimento. Ainda não é o lateral que tempos atrás era cobrado para a Seleção, mas voltou a ser importante no esquema da equipe. Dos nomes que um dia foram imprescindíveis, Juan ainda deixa a desejar. Recuperado de lesão, aos poucos vem ganhando a forma perdida.

Para o técnico Andrade, o que prevaleceu na vitória sobre o Santos foi o trabalho em equipe.

O Bruno fez justiça à péssima arbitragem. Só que o jogo não pode ser visto apenas a partir desses dois pênaltis. Foi um trabalho de grupo. Quando o Santos pressionou, o Flamengo soube resistir. Tivemos um ótimo trabalho de equipe ressaltou o treinador rubro-negro.

Andrade passou o domingo ligado na televisão e fazendo contas, a partir dos resultados dos jogos. Mas, independentemente da rodada, ele já se dava por satisfeito depois do triunfo sobre o time de Vanderlei Luxemburgo.

Fizemos nossa parte. O Flamengo é isso. Vamos sempre buscar as vitórias e a classificação.

A vitória sobre o Santos teve um sabor especial para o treinador. Companheiro de Luxemburgo no Flamengo do final dos anos 70, Andrade se firmou com técnico este ano, após a demissão de Cuca, ao derrotar o time paulista dentro da Vila Belmiro, no primeiro turno fato que não ocorria desde 1976. Curiosamente, na última vitória rubro-negro na casa do Santos, Luxemburgo foi o herói rubro-negro.