Flamengo: Andrade, operário padrão

Rafael Gonzalez, Jornal do Brasil

RIO - Na posição de treinador interino do Flamengo este ano, Andrade começou com o pé direito. A estreia teve direito a vitória e quebra de tabu. Foi contra o Santos, na Vila Belmiro, no dia 26 de julho, primeira vez que o rubro-negro bateu o clube paulista em casa: 2 a 1. Era só o começo. Quando todos consideravam o Flamengo um mero figurante no Campeonato Brasileiro, eis que resultados positivos começaram a aparecer e, enfim, o time se mostra como candidato forte a uma vaga na Libertadores-2010 depois de vencer o São Paulo, no Maracanã, na última rodada do Brasileirão. Neste domingo, Andrade e seus comandados têm pela frente uma grande prova de fogo contra o líder Palmeiras, às 16h, no Parque Antártica. Se vencer, o Flamengo pode entrar no G4 e sonhar até com um improvável, mas não impossível, título.

Jogando da maneira como estamos fazendo, podemos alcançar voos mais altos no campeonato. Título é mais difícil. Temos que ir passo a passo. A primeira final é hoje. Depois desse jogo contra o Palmeiras vamos pensar de acordo com o que a tabela mostrar afirma o lateral Léo Moura.

Há explicações claras para o bom momento do Flamengo. Na zaga, Álvaro que não joga hoje por lesão no joelho direito se incorporou rapidamente ao elenco e deu mais confiança ao companheiro Ronaldo Angelim. No meio, o chileno Maldonado arrumou a casa e segue com boas apresentações. Petkovic e Adriano têm sido os responsáveis pelos gols do time. Mas há ainda uma figura discreta muito responsável pelo sucesso rubro-negro. Andrade ganhou a confiança do elenco, uniu a equipe em torno de um objetivo e, com um time arrumado, saiu da 11° para a sexta posição do campeonato. Que o digam seus comandados.

Ninguém aqui é criança e todos sabem que o ambiente com o outro treinador não era dos melhores (Cuca). Graças a Deus o Andrade assumiu num momento que a gente precisava de alguém que nos apoiasse explica Toró.

Desde a partida contra o Santos, no Campeonato Brasileiro, foram 16 jogos, oito vitórias, quatro empates e quatro derrotas. Segundo os levantamentos do matemático Tristão Garcia, Andrade é o 11° treinador com melhor desempenho na era de pontos corridos do Campeonato Brasileiro. Isso, considerando-se os 42 jogos em que o treinador dirigiu o Flamengo desde 2003. Se fosse considerado apenas o desempenho desta temporada, Andrade seria dono do terceiro melhor desempenho da história do Brasileirão em pontos corridos atrás apenas de Luxemburgo e Muricy Ramalho.

O Andrade não mudou desde os tempos de jogador. Mantém o caráter e o perfil de falar e agir com calma. Ele espelha hoje o que era dentro de campo: une simplicidade a objetividade. No comando do Flamengo está muito bem. Não queima etapas e, principalmente, criou uma harmonia importante dentro do grupo afirma Júnior, ex-jogador, campeão do mundo pelo Flamengo ao lado de Andrade.

O desenvolvimento de bons trabalhos não é novidade na vida do ex-jogador. O Tromba, como era chamado Andrade, começou a entrar como titular do Flamengo gradualmente num meio-campo com titulares absolutos como Carpegiani, Adílio e Zico. Volante técnico, Andrade assumiu a posição depois da aposentadoria de Carpegiani.

Herói do 6 a 0 contra Botafogo

No tempo em que vestiu a camisa rubro-negra, Andrade pôs seu nome na história do clube fazendo parte do grupo campeão do mundo em 1981 e até marcando gols importantes. O então camisa 6 foi o responsável, por exemplo, exatamente pelo sexto gol da histórica vitória por 6 a 0 contra o Botafogo em 1981, devolução de goleada do alvinegro por igual placar nove anos antes, que rendia dores de cabeça aos jogadores e, principalmente, aos torcedores rubro-negros. Um chute forte da entrada da área, aos 42 minutos do segundo tempo, levou ao delírio a torcida no estádio do Maracanã.

Foi curioso, pois coube ao Andrade, que era o camisa 6, fazer o sexto gol. Foi um momento importante para ele e para todos lembra Júnior.

Adílio, que jogou no Flamengo ao lado de Andrade, não economiza nos elogios ao hoje técnico do time.

O Andrade mantém como treinador a qualidade que demonstrava dentro de campo. Vivi esses tempos ao lado dele, no Flamengo, e começamos também juntos a atividade de treinador no CFZ. Todos os treinadores que passaram pelo Flamengo e trabalharam com ele na posição de auxiliar o elogiavam. O Joel Santana foi um que buscou muito o trabalho do Andrade, que foi peça importante naquele grupo de 2007 conta, referindo-se ao grupo que deu a arrancada da zona de rebaixamento e chegou à classificação para a Libertadores naquele ano.

Discreto em campo, Andrade não é um dos primeiros nomes a serem lembrados quando se fala no grande time do Flamengo do início dos anos 80. Hoje, também nem sempre é considerado o principal responsável pelos bons resultados rubro-negros. Assim segue Andrade sua carreira no futebol: discreta e vencedora.