Corrida para sediar Olimpíadas de 2016 chega ao clímax

REUTERS

ZURIQUE - As quatro candidatas a sede dos Jogos Olímpicos de 2016 se preparam para um resultado apertado quando o Comitê Olímpico Internacional (COI) anunciar a cidade vencedora, na próxima semana. Tóquio, Madri, Chicago e Rio de Janeiro se engajaram numa disputa acirrada, sem nenhum favorito claro, depois de dois anos de forte campanha.

- Rumamos para o que eu acredito que serão 10 dias fascinantes em Copenhague - afirmou o chefe do COI, Jacques Rogge. - Estamos muito animados porque os quatro candidatos são de primeira classe. Cada um deles organizaria um bom evento - reconhece.

O COI decidirá o anfitrião do maior evento esportivo do mundo durante sua sessão em 2 de outubro. Roger prevê um resultado apertado após os votos dos 115 membros. - Será provavelmente por poucos votos - afirmou no início do mês.

Chicago foi vista como favorita em boa parte da campanha, mas assiste a disputas entre o COI e o Comitê Olímpico dos Estados Unidos em questões como divisão de receitas e os agora adiados planos para uma estação de TV olímpica independente.

Contudo, o apoio do presidente Barack Obama, que viveu boa parte de sua carreira política na cidade, e a presença de Michelle Obama em Copenhague podem ajudar na candidatura.

O Rio deu passos consideráveis em seus esforços para sediar os jogos pela primeira vez na América do Sul. Com a Fifa aprovando o Brasil para sediar a Copa do Mundo em 2014, o COI está ficando sem desculpas para não levar os Jogos a uma cidade ao sul do Equador, que não seja a Austrália.

Contudo, o COI se mostrou preocupado que a Copa do Mundo reduza o marketing das Olimpíadas e o sucesso da competição caso ela fosse sediada no Rio, além da alta taxa de criminalidade da cidade que precisa ser resolvida.

Tóquio, sede dos jogos de 1964, já ganhou elogios de Rogge por seu sólido plano financeiro e alto padrão tecnológico da candidatura.

Mas levar os jogos novamente para a Ásia depois somente de oito anos das Olimpíadas de Pequim em 2008 ainda é um fator contra.

Madri está apostando que melhorou sua proposta depois de falhar quatro anos atrás, mas uma segunda olimpíada europeia depois de Londres em 2012 é algo que não está a favor da capital espanhola.