Sem título, Cruzeiro perde dinheiro e luta contra desmanche

Portal Terra

BELO HORIZONTE - Menos dinheiro, mesmas contas a pagar e ressaca natural pelo vice-campeonato da Copa Libertadores da América. Não há como negar que, sem o título continental, o Cruzeiro terá mais dificuldades para manter o time que chegou perto do tricampeonato, mas foi derrotado pelo Estudiantes na decisão por 2 a 1, no Mineirão.

Se tivesse conquistado o título, o Cruzeiro teria lucrado cerca de R$ 1 milhão a mais na última quarta-feira somente por conta do prêmio reservado ao campeão. Fora isso, o time disputaria o Mundial de Clubes, competição que tem como premiação mínima para os times sul-americanos US$ 2 milhões (cerca de R$ 1,95 milhões). Isso sem mensurar impacto da derrota em bilheterias, fortalecimento da marca e venda de produtos comemorativos.

Como não poderá contar com este dinheiro no cofre, o Cruzeiro perderá poder de barganha para brigar pela permanência de seus atuais jogadores, valorizados pela boa campanha na Libertadores. Fora isso, o Mundial de Clubes serve como isca para convencer atletas a trocarem propostas com altos valores pelo objetivo de ser campeão mundial.

- São duas situações bem distintas. Se vence, os jogadores s valorizam, mas você faz de tudo para segurar o time para o Mundial de Clubes e ainda pensa em reforços. Se não, você tem que manter o planejamento normal - analisa o presidente do Cruzeiro, Zezé Parrela.

Nos últimos anos, o Cruzeiro tem se notabilizado por vender jogadores durante a janela de verão na Europa (julho e agosto). Por isso, o presidente só acha que poderá falar com firmeza sobre o assunto em agosto, quando o mercado fica mais quente. - O que posso dizer agora é que não chegou nenhuma proposta oficial por nenhum jogador - avisa.

Desta forma, do time que entrou em campo na decisão contra o Estudiantes, apenas o volante Ramires, negociado com o Benfica, tem despedida confirmada do clube. O zagueiro reserva Anderson, cujo empréstimo termina nesta quinta-feira, também deve dar adeus.

Constantemente em especulações publicadas na Europa, Kléber também pode sair. O atacante diz que quer ficar, mas o Cruzeiro admite que não poderá fazer nada caso algum clube pague a multa rescisória de 15 milhões de euros (cerca de R$ 40 milhões). O jogador está valorizado pela campanha na Libertadores e supostas propostas já chegaria perto do valor.

Além de Kléber, outros jogadores deixam a Libertadores em alta e devem entrar em listas de reforços de times europeus. Os meio-campistas Henrique, Wagner e Marquinhos Paraná são bons exemplos.

Diante deste panorama, o diretor de futebol do Cruzeiro, Eduardo Maluf, disse depois da derrota para o Estudiantes que mais perdas podem acontecer. - A ideia é manter pelo menos 80% do time - afirmou.