Virada heroica sobre EUA e título deixam Dunga com pose de intocável

Jornal do Brasil

JOHANESBURGO, ÁFRICA DO SUL - O Brasil faturou pela terceira vez a segunda consecutiva a Copa das Confederações. Foi um título suado. O título da insistência, da perseverança. Os EUA abriram a contagem e terminaram o primeiro tempo vencendo por 2 a 0. Mas Luis Fabiano, duas vezes, e Lúcio, a seis minutos do fim, deram a vitória, de virada, à Seleção Brasileira. De quebra, o time de Dunga, que agora dificilmente perde o emprego até a Copa de 2010, levou o troféu fair play, além da artilharia da competição, com Luis Fabiano. Kaká também foi eleito o craque do campeonato. Os desempregados Vanderlei Luxemburgo e Muricy Ramalho praticamente deram adeus às esperanças de assumir o cobiçado lugar de Dunga.

Os EUA deram a impressão de que pregariam a mesma peça que pregaram na Espanha. Fizeram dois gols e não deixaram o Brasil chegar perto da área adversária. Robinho, mais uma vez, esteve abaixo da média, e Ramires não rendeu o esperado. As esperanças estavam depositadas em Kaká e Luis Fabiano.

Logo aos 9 minutos, Dempsey escorou cruzamento da direita, desviando no canto direito de Júlio César. O gol deu uma espécie de apagão nos jogadores da Seleção. Felipe Melo tentou, de fora da área, mas o goleiro defendeu. Howard, aliás, fez uma bela partida, com defesas arrojadas. Numa delas, salvou quase em cima da linha um chute rasteiro de Maicon.

Foram chances mal aproveitadas. Numa delas, Maicon errou o passe e os americanos, no contra-ataque, deram apenas cinco toques na bola para marcar, contando com o drible de Donovan em Ramires e o arremate no canto esquerdo de Júlio César: 2 a 0.

O curto-circuito brasileiro, porém, não foi como o dos espanhóis, eliminados pelos americanos na semifinal. No fim do primeiro tempo o time de Dunga se lançou ao ataque de forma mais contundente. André Santos obrigou o goleiro a fazer ótima defesa. Robinho teve outra oportunidade aos 40. E novamente Howard salvou. No último minuto, Luis Fabiano chegou atrasado e o Brasil foi para o intervalo com a desvantagem de dois gols e um enorme desafio pela frente.

Na segunda etapa, um novo time. Luis Fabiano marcou logo no primeiro minuto. Ajeitou da entrada da área, de costas para o gol, e virou, acertando o canto direito do goleiro. Era o gol que o Brasil queria para recuperar o fôlego.

Lúcio vinha querendo deixar a sua marca. Vinha insistindo em jogadas de efeito e dribles ousados. Aos 12, quase fez de cabeça, mas o goleiro defendeu e, no rebote, Gilberto Silva isolou.

Aos 14, Kaká marcou de cabeça, mas o árbitro não viu que a bola entrara. Apesar da reclamação, ele mandou o jogo seguir. O empate só veio aos 28. Kaká fez boa jogada pela esquerda e cruzou. Robinho cabeceou na trave e Luis Fabiano, também de cabeça, deixou tudo igual. Foi o quinto gol do atacante, artilheiro da competição. Ao todo, o Fabuloso marcou 16 vezes pela Seleção de Dunga, superando Robinho, com 15.

Mas faltava ainda o gol da virada, o do título. E ele aconteceu aos 39. Elano cobrou escanteio e o capitão brasileiro cabeceou sem defesa para Howard: 3 a 2. Lucio finalmente marcou o tão esperado gol.

Além de Dunga, a vitória dá tranquilidade a Luis Fabiano. Por mais que se pense em Ronaldo e Adriano, será difícil deixá-lo no banco em 2010.