Nada pode atenuar a dor da virada, diz New York Times

Portal Terra

DA REDAÇÃO - Um dos jornais mais influentes do mundo, o americano The New York Times acompanhou, em seu site, lance a lance a final da Copa das Confederações entre Brasil e Estados Unidos e repercutiu "com dor" a virada levada pelos americanos (3 a 2) no Estádio Ellis Park, em Johannesburgo, na África do Sul.

- Não há vitória moral, nada que possa atenuar a dor pelos Estados Unidos. Mas depois de um começo terrível no torneio, uma presença na final e uma apresentação digna de crédito contra o Brasil, apenas coisas boas estão reservadas para os EUA no futuro - diz o texto publicado depois do jogo.

No primeiro tempo, os Estados Unidos abriram 2 a 0 com gols de Dempsey e Donovan. Aberto a comentário, o ao vivo do The New York Times teve participações de 116 internautas até 20 minutos após o apito final do árbitro.

No primeiro tempo, a euforia era tanta que um torcedor arriscou um placar de 5 a 0 e apelou para o lema da campanha que levou Barack Obama à presidência dos Estados Unidos. "Yes, we can" (Sim, nós podemos).

Nem o narrador parecia acreditar no que acontecia na África do Sul. No segundo gol, ele escreveu "incrível" e no intervalo se entusiasmou. "O que você pode dizer? Surpresa? Chocante? Inesperado? Estas e outras palavras não seriam suficientes para descrever os dois gols que os EUA levam para o vestiário. Os americanos não tiveram muitas chances, mas conseguiram um resultado surpreendente, um incrível 2 a 0".

No primeiro minuto do segundo tempo, da euforia ao começo da decepção. "45min: 45 minutos para o título dos Estados Unidos. Podemos segurar?". Um minuto depois, parte da resposta. "46min: exatamente aquilo que os Estados Unidos não queria. Luís Fabiano diminui...".

Daí por diante, o narrador esqueceu os comentários e só relatou a agonia americana depois de mais um gol de Luís Fabiano e o decisivo de Lúcio. Nos comentários, os brasileiros apareceram. "Bra 7 x 2 USA, Yes We can", ironizou Rogério, de Curitiba. Se tivessem mais 45 minutos e o ritmo da partida continuasse igual, pelo menos 6 a 2 "seria possível".