Dia especial para Lúcio, Luís Fabiano e Kaká

Jornal do Brasil

JOHANESBURGO, ÁFRICA DO SUL - Lúcio andava indócil. O Bayern de Munique, da Alemanha, avisou que não conta mais com ele. Há nove anos vestindo a camisa da Seleção Brasileira, tentou esquecer os problemas vividos no clube e se concentrou na conquista da Copa das Confederações. O capitão brasileiro vinha buscando o gol durante a competição. Quis o destino que ele acontecesse a seis minutos do fim. Não era um gol qualquer.

Eu fico sempre feliz quando a Seleção ganha. Também fico contente individualmente. Agradeço a todo mundo, e também à minha esposa (Tione), que me deu forças. Tive surpresas do meu clube, que eu não esperava. Não ser mais aproveitado no Bayern foi um choque pra mim disse Lúcio. Foi uma temporada difícil. Só Deus sabe o que eu passei.

Dunga também era só euforia:

Recuperar um 2 a 0 só é possível quando você tem um time de homens, comprometido comentou o técnico, com elogios especiais a Luís Fabiano. Já ouvi pessoas dizendo que o Luis Fabiano faz gol, mas não é bom para a Seleção. Na minha maneira de ver futebol, centroavante bom é aquele que faz gol.

Eleito o melhor em campo pela Fifa, Kaká era mais cauteloso:

Primeiro, temos que classificar, terminar as Eliminatórias. Temos quatro jogos pela frente e esperamos estar classificados já nos próximos dois (contra Argentina e Paraguai). A gente sabe que favoritismo não é bom.