Traumatizados com retranca, brasileiros torcem por final diferente

Portal Terra

JOHANNESBURGO - Os jogadores da Seleção Brasileira esperam que os Estados Unidos não adotem uma postura excessivamente defensiva na final da Copa das Confederações, neste domingo, no Estádio Ellis Park. O Brasil teve dificuldades quando encarou a retranca sul-africana na semifinal do torneio. Chegou a levar sustos.

- Espero que seja um jogo aberto. Dificultaram muito para a Espanha, espero que eles saiam para o jogo para abrir espaço, porque no contra-ataque estamos indo muito bem para conquistar nosso objetivo - disse o lateral direto Maicon, relembrando a vitória norte-americana por 2 a 0 sobre os espanhóis na semifinal.

A Seleção Brasileira bateu na outra semifinal a África do Sul por 1 a 0 com um gol de falta de Daniel Alves apenas aos 42min do segundo tempo. A equipe chegou a passar perigo durante o jogo, já que Joel Santana armou os donos da casa com uma defesa muito sólida e aproveitou bem nos contra-ataques.

- Os EUA não vão ficar atrás como ficou a África do Sul. Eles não sabem fazer isso, vão tentar sair pro jogo, já perderam uma partida do Brasil e vão tentar vencer. Saindo para o jogo, vão aparecer os espaços. Se aparecer, o Brasil é perigoso, sabe jogar no contra-ataque, armar jogadas - discursou Luís Fabiano.

Na segunda rodada da primeira fase, o Brasil bateu os Estados Unidos por 3 a 0. Depois d elevar um gol logo nos primeiros minutos, os norte-americanos precisaram sair para atacar e acabaram massacrados.

Para o volante Gilberto Silva, amanhã a história será diferente.

-Vai ser um time diferente. Agora eles têm mais confiança depois de vencer a Espanha. Eles vão fazer o melhor amanhã para dificultar o jogo, eles não querem perder. Estamos preocupados com o jeito que eles vão jogar, mas o mais importante é fazermos o nosso trabalho da melhor maneira - declarou.

-Acho que cada jogo tem uma história diferente. O jogo de amanhã será completamente diferente, tenho certeza. Eles tiraram a seleção favorita (Espanha), e isso traz confiança para os americanos. Todos viram a dificuldade que tivemos contra a seleção sul-africana, mas espero que seja um jogo aberto. Vai ser um jogo completamente diferente - lembrou Júlio César.