Palmeiras oficializa saída de Luxemburgo e vai atrás de Muricy

Portal Terra

SÃO PAULO - O Palmeiras oficializou, na manhã deste sábado, a demissão do técnico Vanderlei Luxemburgo. A diretoria alviverde fala com cautela, mas o nome mais forte para assumir o time na sequência do Campeonato Brasileiro é o do ex-são-paulino Muricy Ramalho. O principal motivo do interesse no tricampeão nacional é baixar custos com comissão técnica técnica: Muricy chegaria apenas com mais um profissional.

Uma reunião entre diretoria e Luxemburgo comunicou cortes no departamento de futebol, que poderiam chegar a 20%. A mesma reunião pretendia informar o polêmico treinador que os cortes não se limitariam ao futebol e eram, na verdade, exigências da atual crise econômica mundial - informação esta também divulgada pelo Terra em 22 de junho. Todo esse movimento pode ter sido criado para realizar o grande sonho da diretoria de trazer Muricy Ramalho.

Ao contrário de Luxemburgo, Muricy chegaria ao Palmeiras com apenas mais um profissional, barateando custos. Luxemburgo e seus homens custavam ao Palmeiras, por mês, R$ 600 mil, fora o salário do técnico, que seria de R$ 700 mil. E a multa rescisória para demitir Luxemburgo giraria em torno de R$ 1,3 milhão, que é justamente um mês de gastos com o futebol profissional.

O Terra antecipou também que dois diretores palmeirenses, amigos e conselheiros do presidente Luiz Gonzaga Belluzzo, teriam jantado, no dia 15 de junho, na casa do apresentador Fausto Silva, convidados para a tradicional pizza que o apresentador promove para amigos. Na ocasião, teriam conversado com Muricy, que teria sido receptivo à ideia de comandar o time de coração de seu pai na então hipotética e agora confirmada circunstância de o time ficar sem treinador.

-Todo trabalho nosso era para permanência com o Luxemburgo. Nós não fazemos isso (conversar com outro treinador antes da saída de Luxemburgo). A declaração do presidente e minha é no sentido de que apoiávamos o treinador. Ainda acho que o trabalho dele era muito bom. Até por ética não fazemos isso. Isso não tem nada a ver (cortar gastos da comissão). Na minha opinião, o Palmeiras terá que trazer um treinador de ponta e o impacto sobre o caixa vai ser o mesmo - afirmou Gilberto Cipullo, vice-presidente de futebol.

Mais tarde, por telefone, Belluzzo admitiu o interesse em Muricy. - Ele é um dos nomes que estamos cogitando sim, mas ainda não há nada certo - afirmou.

Sobre os motivos da demissão de Luxemburgo, Cipullo afirmou que houve uma "quebra de hirarquia" nas declarações do treinador ao afirmar que o atacante Keirrison, que negocia sua transferência para o Barcelona, não atuaria mais sob seu comando no time alviverde.

- A direção do clube entendeu que as declarações caracterizaram uma quebra de hierarquia. Falar que o jogador não joga mais no Palmeiras. Isso é prerrogativa da direção do clube. Vamos estudar alguns nomes e a partir desses nomes começar a fazer os contatos - completou Cipullo.