Dunga diz que está criando um grupo forte

Agência AFP

JOHANESBURGO, ÁFRICA DO SUL - O técnico brasileiro Dunga afirmou neste sábado em Johannesburgo, onde a Seleção encara os Estados Unidos domingo às 15h30 (hora de Brasília) na final da Copa das Confederações, que está formando uma equipe forte, após três anos no comando.

- Continuo com o mesmo compromisso com a Seleção Brasileira. Os jogadores estão mostrando um ótimo comportamento na Seleção. Todos têm sua chance, e respeitam seus colegas quando não jogam. Estou criando um grupo forte, depois de três anos de trabalho - declarou.

De acordo com o técnico, uma das chaves do bom momento do Brasil é o equilíbrio dentro da equipe.

- O importante no futebol é ter um time equilibrado. A equipe que não tem esses jogadores, com espírito de sacrifício, não pode vencer - sentenciou.

Para o treinador, os jogadores gostam dele porque fala a verdade.

- Sempre tento trabalhar com a maior transparência e falar a verdade. Os jogadores sabem que sou sincero e direto. Não tento ser um professor. Eles entendem minha filosofia. Sabem que faço o que digo. Sou a mesma pessoa como técnico do que era como jogador - disse o ex-volante, campeão mundial com a Seleção em 1994.

Dunga ainda se defendeu de promover o futebol de resultados em detrimento do futebol-arte, destacando que o Brasil é a equipe que fez mais gols na Copa das Confederações até agora (11 em quatro jogos), assim como nas eliminatórias sul-americanas para a Copa de 2010 (25, dois a mais que Chile e Uruguai).

- Todo mundo tem o direito de dar sua opinião, mas os números não mentem. Somos a equipe que mais fez gols na Copa das Confederações e que tem o melhor ataque das eliminatórias - frisou o treinador.

Dunga também se referiu à seleção dos Estados Unidos, que o Brasil derrotou por 3 x 0 na primeira fase.

- É uma equipe forte e obediente, muito perigosa nos contra-ataques e que consegue ficar concentrada durante os 90 minutos. Será um adversário difícil para nós - afirmou.

Dunga está ciente de que os norte-americanos aplicarão a mesma tática que deu certo contra a Espanha: ficar na retranca e esperar o contra-ataque.

- Vamos ter que ter paciência. O ideal seria abrir logo o placar. O jogo de amanhã (domingo) será muito diferente do que ganhamos na primeira fase. A equipe norte-americana ficou mais consistente, e ganhou confiança. Vamos tentar impor nosso ritmo e aproveitar nossos pontos fortes - declarou.

"Ganhamos deles uns dias atrás, mas o futebol não tem passado nem futuro, só presente", enfatizou o treinador.

Para Dunga, a pressão sobre ele e a Seleção não vai aumentar se o Brasil ganhar ou perder dos Estados Unidos.

"O Brasil tem que ganhar sempre, é favorito em qualquer competição. Fico mais preocupado quando falam que não somos considerados favoritos", afirmou.