Seleção Brasileira exalta Daniel Alves

Jornal do Brasil

JOHANESBURGO, ÁFRICA DO SUL - Daniel Alves pode não ter o lobby de craques consagrados como Kaká e Júlio César. Mas o lateral do Barcelona tem o respeito e a admiração do grupo. Desde a Copa América de 2007, quando entrou no lugar de Elano e mudou a cara do jogo com os argentinos na final, ele ganhou a confiança do técnico Dunga. Kaká, principal estrela da companhia, deu força para o companheiro no momento da cobrança de falta.

Kaká revelou que nem sequer pensou em pedir a bola após o árbitro assinalar a falta em Ramires. O meia garante que pressentiu o gol de Daniel Alves e só lhe desejou boa sorte.

- Eu peguei a bola e só fui na direção dele. Falei: Capricha, Daniel contou Kaká.

De fato, o jogador era o único com a bola na hora da cobrança. O que comprova a confiança dos companheiros no lateral.

Daniel Alves foi advertido com cartão amarelo após o gol. Para homenagear os filhos, ele levantou a camisa e exibiu a tatuagem escrita Daniel Filho no peito. Era o filme de 2007 que passava pela sua cabeça. O jogador se considera um predestinado.

Sou abençoado por Deus. Ele me presenteou com mais um gol importante. Entrei e pude ajudar o time. Meu objetivo é sempre ajudar. Seja como titular ou vindo do banco declarou o lateral, sem demonstrar arrependimento com o cartão amarelo. Mostrei as tatuagens, que são para os meus filhos Daniel Filho e Vitória. Eles ficam na Bahia, e eu estou com saudade. Depois que a bola entrou, corri para comemorar e nem pensei em nada.

Dunga explica alteração

O técnico Dunga esclareceu a entrada de Daniel Alves na vaga de um lateral-esquerdo. O treinador admitiu que desejava explorar a bola parada do jogador do Barça.

Ele é especialista na bola parada, treina todos os dias e hoje foi perfeito contou o treinador brasileiro.