Com inglês "exótico", Joel diz que jogou de igual para igual

Allen Chahad, Portal Terra

JOHANESBURGO, ÁFRICA DO SUL - Assim que o juiz apitou o fim de jogo, Joel Santana foi parado na saída do gramado por uma emissora de TV sul-africana. O repórter, visivelmente satisfeito com o desempenho de sua seleção nacional, queria saber se Joel estava satisfeito por ter jogado de igual para igual com o Brasil.

O técnico da África do Sul começou então a falar com aquele inglês que já virou marca registrada: pronúncia zero, esforço dez. Quem faz piada com o inglês de Joel se esquece de dizer que ele se faz entender e entende perfeitamente o que diz o repórter. Nessa toada, ele contou que ficou satisfeito com a postura da sua equipe mesmo depois da derrota por 1 a 0 para o Brasil, nesta quinta-feira, em Johannesbugo, pela semifinal da Copa das Confederações.

- A equipe jogou muito bem. Esse jogo é importante porque jogamos organizados e tivemos oportunidades de fazer gol, mas tomamos um gol no último minuto. Parabéns ao Brasil - disse.

- Ficamos orgulhosos. Se você olhar as estatísticas, conseguimos chutar 14 bolas ao gol do Brasil, não é fácil. Não ficamos na mesmice. Gostaríamos de ter vencido. Acima de tudo estou feliz, satisfeito - completou.

Joel apontou ainda a inexperiência do seu time.

- Talvez até tenhamos surpreendido o Brasil. Jogamos com uma marcação firme. Mas faltou calma na finalização, isso vamos adquirir com o tempo. O importante é que jogamos de igual para igual com uma seleção que é a melhor do mundo. E temos mais um ano para nos prepararmos. Vamos dar mais tranquilidade e mais equilíbrio emocional aos nossos jogadores.

O brasileiro ficou com os olhos marejados ao escutar, em campo, os hinos dos dois países.

- Ter a oportunidade de jogar contra o Brasil, com os dois países que me acolheram, você fica emocionado. Fico orgulhoso acima de tudo dos jogadores entenderem a minha proposta de jogar de igual, jogar limpo. Procurar ver acima de tudo que estamos passando por um momento de transição para melhor.

- Como o Brasil teve o mérito da bola parada, poderíamos ter tudo também. A vida é um aprendizado e hoje aprendemos muito. Tentamos e conseguimos jogar de igual para igual - completou.