FIA se diz aberta ao diálogo, mas exige inscrição de equipes

Alan Baldwin, REUTERS

LONDRES, INGLATERRA - A Federação Internacional de Automobilismo (FIA) manteve-se irredutível na quarta-feira depois que as equipes fizeram uma tentativa desesperada de resolver uma crise que ameaça destruir o esporte.

O presidente da FIA, Max Mosley, disse em uma carta aos oito membros da Associação das Equipes de Fórmula 1 (Fota) que não poderia estender o prazo (que vence sexta-feira) para que elas entrassem no campeonato de 2010 sem impor condições.

Ele acrescentou, no entanto, que, se elas aceitassem as polêmicas regras para 2010 como foram publicadas - incluindo o limite orçamentário - as medidas poderiam ser revistas "no momento oportuno".

A Fota, cujos integrantes ameaçaram abandonar a competição e organizar uma outra concorrente, havia escrito a Mosley e ao chefe comercial da Fórmula 1, Bernie Ecclestone, na terça-feira tentando pôr fim ao impasse após semanas de divergências.

- Chegou a hora, para o bem do esporte, em que precisamos todos fazer concessões e chegar a uma conclusão urgente ao debate prolongado com relação ao campeonato mundial de 2010 - afirmaram eles.

Uma cópia foi obtida pela Reuters e depois divulgada, junto com a resposta de Mosley, no site da FIA (www.fia.com).

A carta da Fota disse que todos os membros estavam dispostos a comprometer-se com o esporte até o fim de 2012 e pediu para o prazo de sexta-feira ser estendido para até 1º de julho a fim de permitir mais negociações e a sinalização de um novo acordo confidencial.

- Agora é o momento para encontrar uma solução sensata e rápida às questões proeminentes - acrescenta a carta.