Com jogadores esgotados, Dunga deve poupar peças no jogo contra EUA

Jornal do Brasil

PRETÓRIA, ÁFRICA DO SUL - A Copa das Confederações já foi tratada com desdém pelas grandes estrelas do futebol mundial no passado. Ganhou importância e eles voltaram a participar da competição, que coincide com as férias, assim como a Copa do Mundo. O desgaste físico é inevitável e não há tempo para descanso. Por isso, o técnico Dunga deve poupar jogadores nesta quinta-feira, quando o Brasil enfrenta os Estados Unidos, às 11h (de Brasília), em Pretória.

A vitória no sufoco na primeira rodada contra o Egito foi tratada como um acaso, causado pelo cansaço dos jogadores, que disputaram dois jogos de Eliminatórias, depois encararam a viagem de Recife para a África do Sul e tiveram poucos dias para descansar antes da estreia na competição. Apesar de o confronto ser de risco, já que uma derrota levaria a decisão da vaga na semifinal para a última rodada, Dunga prefere preservar os jogadores e evitar lesões.

O zagueiro Juan deve ser um dos poupados. Outros que podem não começar jogando são o lateral Daniel Alves, que disputou 59 partidas pelo Barcelona na última temporada, o meia Elano e o atacante Robinho. Com isso, crescem as chances de Miranda, Maicon, Kleberson e Alexandre Pato ganharem uma oportunidade.

Tenho que respeitar a individualidade. O que eu dou para os meus jogadores é liberdade com responsabilidade. Todos os jogadores têm essa liberdade para falar se está cansado ou se tem um problema físico. Até porque os testes vão comprovar o que eles estão dizendo disse o treinador.

Dunga, inclusive, usou uma afirmativa equivocada para mostrar que jogador algum tem lugar cativo na Seleção Brasileira. Ele lembrou a Copa do Mundo de 1958, quando Pelé não disputou os dois primeiros jogos. Na verdade, o Rei viajou machucado para a competição e não tinha condições de jogo.

Pelé era reserva em 58. E entrou. Quem estava no lugar do Pelé também era um grande jogador. É importante o jogador confiar nele. Saber o trabalho que ele faz. E quando tem oportunidade tem que ir dentro. Tem que tomar a decisão, entrar concentrado. Na Seleção Brasileira às vezes um jogador joga cinco, 10, 30 minutos, uma hora. Mas tem que estar preparado. Não é muito justo com o jogador. Mas essa é a realidade. O ideal era que todo mundo tivesse três jogos. Mas não é assim. Então o cara tem que estar pronto explicou Dunga.

Artilheiro da era Dunga, com 14 gols, com um a mais do que Kaká, Robinho admitiu o cansaço, mas quer jogar contra os Estados Unidos.

Lógico que eu estava cansado, mas tem que jogar. Cansado ou não temos que dar o melhor. Espero começar a fazer gol no próximo jogo. Atacante vive de gols, não sou centroavante, mas gosto de marcar disse o atacante, já de olho no confronto com a Itália, domingo, já que uma vitória nesta quinta praticamente garante a vaga na semifinal. Com todo o respeito aos Estados Unidos, queremos ganhar para dar tranquilidade contra a Itália.