Capitão italiano ataca de cabeleireiro e atrasa entrevista

Celso Paiva, Portal Terra

PRETÓRIA, ÁFRICA DO SUL - O treino já tinha acabado há mais de uma hora. O técnico Marcelo Lippi já tinha concedido sua entrevista, mas a pessoa mais esperada era o zagueiro Cannavaro. O capitão, que foi ausência da equipe na estreia contra os Estados Unidos, está a apenas três partidas de superar Paolo Maldini e atingir a marca histórica de 127 partidas na seleção italiana.

Porém, o "chá de cadeira" de Cannavaro era interminável. Alguns jornalistas se dispersam e vão embora do Southdowns College, local de treinamento do time italiano. Outros vão até perto da porta do vestiário para descobrir onde o capitão havia se metido.

Depois de muita demora, Cannavaro aparece. E em poucas palavras muda o mau humor dos jornalistas mais impacientes.

- Desculpe, mas estava cuidando do cabelo do pessoal - disse o defensor, que usou sua máquina de barbear para cortar o cabelo do meia De Rossi.

A entrevista segue descontraída. Cannavaro comenta a proximidade do recorde de Maldini.

- Para mim é muito valioso isso, mostra que todo o esforço e trabalho que eu tive nestes anos valeu a pena.

O defensor fala sobre o adversário, sobre a sua estreia na Copa das Confederações, até que o assessor resolve encerrar a entrevista. Antes uma última pergunta de um jornalista italiano. "Já que você é o capitão e falou no começo sobre visual, os torcedores italianos não gostaram muito da nova cor do uniforme da seleção. O que você tem a dizer sobre isso?", indagou o repórter, arrancando risadas de quem estava no local.

Meio sem graça, Cannavaro respondeu:

- Foi uma escolha do patrocinador, o que posso dizer...? - afirmou o defensor, dando uma risada tímida.

Em seguida, o zagueiro mostrou simpatia e retirou o aparelho de barbear da mala.

- Algum de vocês vai querer cortar o cabelo? - brincou o capitão, antes de ir embora do local.