África do Sul bate Nova Zelândia e alivia Joel

Portal Terra

RUSTEMBURGO, ÁFRICA DO SUL - Com o forte apoio de sua torcida, a seleção da África do Sul venceu a primeira na Copa das Confederações. O elenco comandado por Joel Santana derrotou a Nova Zelândia por 2 a 0, nesta quarta-feira, pelo Grupo A. A vitória, que faz os donos da casa chegarem aos quatro pontos, alivia a pressão sobre o treinador brasileiro, que vinha de maus resultados à frente da equipe. Os dois gols foram marcados por Parker, aos 20 minutos do primeiro tempo e aos 6 do segundo.

Depois de decepcionar a torcida e colocar o emprego de Joel Santana em risco, a África do Sul tentou se inspirar na Espanha, que goleou a Nova Zelândia por 5 a 0 na primeira rodada, e trucidar os campeões da Oceania. Por isso, o time tido como defensivo entrou em campo impondo um ritmo alucinante.

A correria, porém, não resultava nem em bons chutes diante de uma defesa cheia de buracos. Quando o ímpeto começava a baixar, finalmente o gol saiu. Com a ajuda dos confusos neozelandeses.

Aos 20 minutos, um dos destaques do jogo, Masilela deixou seu marcador no chão e cruzou rasteiro para Parker. O atacante bateu e contou com desvio na zaga e na mão do goleiro Moss antes de selar o primeiro gol sul-africano na Copa das Confederações. Feito que Joel comemorou pulando muito abraçado a seus auxiliares.

A impressão era de que uma placar ainda mais ampliado seria construído. O meia Pienaar, do Everton, da Inglaterra, confirmava porque é a principal aposta do treinador brasileiro, com bons passes em busca principalmente de Masilela. O problema era que o ataque não conseguia transformar o volume no ataque em arremates perigosos.

A única esperança de gols era mesmo Parker. Ainda no primeiro tempo, o atacante fez boa jogada roubando a bola do adversário, limpou seu marcador, mas perdeu excelente chance batendo na mão de Moss, que se esticou para evitar maior empolgação dos donos da casa.

O jogador do Estrela Vermelha, porém, se redimiu logo no início do segundo tempo. Aos seis minutos, a tabela entre Pienaar e Masilela rendeu mais uma boa oportunidade para Parker, que desta vez bateu de primeira e a bola estufou as redes sem encostar em nenhum adversário. Nova festa no estádio, e mais uma vez a esperança era de goleada.

O sorriso de Joel, contudo, logo se transformou em uma cara mais carrancuda. O técnico ficou de pé até o final da partida, ordenando para seus comandados irem ao ataque. Fez as três substituições para ampliar a pressão sobre os neozelandeses, que só chutaram uma vez ao gol em toda a partida.

Mas o panorama nervoso só prejudicou os sul-africanos. Uma série de impedimentos errados e falhas nos passes ofensivos impediu que mais gols fossem feitos. Agora, resta torcer por uma atuação contra a Espanha melhor do que a feita pelo Iraque, que só perdeu por 1 a 0 para os campeões da Eurocopa. De quebra, o time de Joel torce para os campeões da Ásia não vencerem bem a já eliminada Nova Zelândia.