Castroneves sonha com título da Indy e diz: Fui adotado pelo público

Renata Machado , Jornal do Brasil

RIO - Ainda curtindo os louros da vitória nas 500 Milhas de Indianápolis, clímax de um dos capítulos mais espetaculares da história de sua vida, que pretende transformar em livro, Hélio Castroneves chega para a quinta etapa da Fórmula Indy, a corrida de Milwaukee, domingo, querendo manter o momento que está vivendo. Recém-saído de um pesadelo, o brasileiro conta, em entrevista ao JB por telefone, como enfrentou a situação pela qual passou, ao responder um processo na Justiça americana por sonegação fiscal, e avisa: quer mudar seu retrospecto na pista de Milwaukee para correr atrás do título da temporada está na vice-liderança, apenas cinco pontos atrás do líder Dario Franchitti.

JB - Como foi vencer em Indianápolis domingo passado, depois de tudo o que passou?

Castroneves - Foi uma emoção muito grande. Poucos pilotos conseguiram isso em anos (somente nove). Sempre fui muito dedicado, mas dessa vez não pude me preparar, porque tinha de estar focado no problema. Quando voltei, tudo foi acontecendo naturalmente. Primeiro de tudo, tenho sempre que agradecer a Deus e também à minha equipe. Eles me deram minha vida de volta por acreditar em mim, por estarem do meu lado. Por mais que eles sejam os chefes e eu trabalhe para eles, temos muita amizade. Foi muito bom descobrir isso. Pude me focar 100% para resolver meu problema. Vencer em Indianápolis, a prova mais famosa, foi o mínimo que eu pude fazer para retribuir o que eles fizeram por mim.

JB - Você chegou a pensar que nunca mais voltaria a correr?

Castroneves - A última vez que eu tinha corrido tinha sido em outubro do ano passado, na Austrália, e voltei em abril, na prova de Long Beach. Foram seis meses longe das pistas. Mas para ser sincero, em nenhum momento pensei que nunca mais fosse correr. Nunca tive dúvidas da verdade, mas não posso controlar a cabeça de outras pessoas. Mesmo assim, se desse errado, pensava que eu voltaria mais forte. Eu sempre tentava ver o lado positivo e, graças a Deus, a verdade foi mostrada, vi a Justiça. Estou muito contente.

JB - Acha que ficará marcado pelo resto da sua vida?

Castroneves - Não fiz nada de errado, mas vai ficar uma marca, uma cicatriz, porque foram oito semanas que tive de lidar com isso, apreensão, agonia, ansiedade... No primeiro dia, eu me entreguei, mas me levaram com algemas nas mãos e nos pés. Foi muito chocante. Vi tudo isso num filme e eu fazia parte dele. Mas não tenho mágoa nenhuma, nem sentimento de vingança. Não é minha característica. Vou pôr tudo num livro e essa página já foi virada.

JB - Pretende escrever um livro?

Castroneves - Sem dúvida. Eu não, porque não sei escrever, mas alguém vai escrever por mim quando for o momento certo. Os capítulos estão cada vez maiores.

JB - Sofreu algum tipo de preconceito por estar sendo julgado?

Castroneves - Se teve, eu não percebi. A maioria dos fãs me deram muito apoio, em orações pelo site e no facebook. Foi incrível a reação das pessoas em Indianápolis. Quando disseram meu nome na apresentação dos pilotos, fui muito ovacionado e fiquei surpreso. De certa maneira fui adotado.

JB - Qual foi a maior lição que aprendeu ao passar por isso?

Castroneves - Você sempre tem que ser positivo, não importa o que aconteça. Às vezes você tem que lidar com situações negativas e a única coisa que você pode fazer é lidar com elas, manter-se concentrado.

JB - Qual a expectativa para a corrida de domingo?

Castroneves - A pista aqui é muito diferente, é o oposto de Indianápolis. Saímos de um oval de 2,5 milhas para um de apenas uma milha. É radical a mudança, mas no ano passado meu companheiro ganhou a prova aqui. Acho que temos chances. Quero manter o momento, isso é o mais importante. Meu melhor resultado aqui foi um segundo lugar em 98, no meu primeiro ano, e em 99 fiz minha primeira pole. As poles continuaram, mas sempre tive problemas mecânicos nas corridas. Mas temos condições de ganhar. Espero mudar meu retrospecto na corrida de amanhã.

JB - E quanto às chances de título?

Castroneves - Seria fantástico ganhar o campeonato nesta temporada. Claro que sempre foi um objetivo meu e acho que depois de tudo isso que aconteceu seria uma maneira tremenda de terminar o ano!